O presidente do #Governo regional dos Açores, Vasco Cordeiro, pretende que seja feita uma "revisão global do acordo" com os Estados Unidos da América (EUA) no que concerne à Base das Lajes e não um acordo técnico conforme teria defendido o primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho. O socialista António Costa, que acompanha este tema, referiu aos jornalistas uma grande "preocupação" sobre a decisão norte-americana na Base das Lajes e que essa medida introduz "uma nuvem negra" no relacionamento entre os países. Tal constitui "uma desvalorização" em termos geoestratégicos de Portugal. Esta manifestação de ideias surgiu após o secretário-geral do PS ter estado reunido com o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, na sede do partido em Lisboa.

O representante máximo regional, que também passou por Belém, já tinha demonstrado anteriormente que o plano económico para a Ilha Terceira passaria por uma "rentabilização de infraestruturas", requalificação de funcionários, "incentivos fiscais e prevenção ambiental". Um plano que ganhou forma ao longo dos últimos dois anos e que agora chega a público depois dos EUA manifestarem-se sobre a Base das Lajes. A própria Comissão Representativa dos Trabalhadores portugueses da base manifestou que um programa de reformas apenas iria atenuar o impacto da situação e não "uma solução que satisfaça a grandeza da redução".

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), em comunicado, mostrou solidariedade para com as empresas açorianas pela possibilidade da desativação da Base das Lajes, pelos americanos, na Ilha Terceira, nos Açores. Esta entidade também referiu a informação divulgada pelo governo central onde é constatada preocupação associada a uma decisão dos Estados Unidos da América em reduzirem trabalhadores na Base das Lajes. A base para esta inquietação está uma diminuição de 900 para 400 trabalhadores portugueses e de 650 para 165 norte-americanos. A Associação referiu que procura alternativas económicas, sociais e políticas, mas de momento a sua proposta junto dos governos regional e central foi para a "abertura imediata de uma linha de apoio financeira de emergência" e acrescentou a definição de um plano para a criação de um "pólo turístico". Esta última estratégia estaria relacionada com o "papel da Base das Lajes na histórico da aviação militar".