Na zona central da ilha Terceira, Açores, e a pouco mais de 500 metros do nível do mar, encontra-se interior de um vulcão adormecido, o Algar do Carvão. Constituído por um cone vulcânico com 90 metros de altura e uma lagoa de água tranquilas a cerca de 100 metros de profundidade, este é o único vulcão que é possível visitar em todo o mundo.

Com origem em duas fases distintas, estima-se que uma parte do Algar, a que corresponde à conduta de um cone de escórias, date de há 1700 a 2100 anos, enquanto a maior parte, e mais antiga, que se desenvolve em espessas escoadas lávicas, tenha uma idade aproximada de 3200 anos.

As primeiras descidas ao interior do vulcão remontam a 1963 e foram feitas por uma associação conhecida como "Os Montanheiros", que faz parte de uma sociedade de exploração espeleológica. Com a descoberta do valor patrimonial que haviam encontrado nesta cavidade, os exploradores decidiram que a beleza do Algar do Carvão deveria ser partilhada. Assim procedeu-se à sua inauguração ao público em 1968 e, no ano seguinte, deu-se início à montagem do primeiro sistema de iluminação no seu interior. A par disso, também o acesso ao Algar está hoje facilitado com a construção de escadarias no seu interior, que permitem uma mais cómoda visualização deste fenómeno natural, observando mais atentamente o curso seguido pela lava e as estalactites e estalagmites.

Classificado desde 2004 como Monumento Natural Regional pelo Governo Regional dos Açores, devido às suas peculiaridades vulcanólogas e à sua importância ambiental, esta zona integrava já uma Reserva Geológica Natural. A candidatura do Algar do Carvão a Património Mundial da Humanidade encontra-se ainda em apreciação por parte da UNESCO. Semelhante ao Algar do Carvão, a nível de aspectos vulcanólogos, existe somente mais um vulcão no mundo, situado na Indonésia, apesar de este ser mais pequeno e de não estar acessível ao público. Hoje em dia, o Algar do Carvão pode ser visitado durante toda a época de Verão, estando aberto diariamente ao público mediante o pagamento de um valor de cinco euros por pessoa. #Natureza