Um indivíduo de 70 anos foi detido nos Açores, na ilha Terceira, por suspeita de abusar de três crianças menores. De acordo com a informação da #Polícia Judiciária (PJ), as crianças teriam entre 4 e 9 anos. Ainda relativamente às vítimas, estas seriam familiares do alegado abusador e seriam aliciadas através de doces. O septuagenário nunca demonstrou quaisquer indícios das práticas que agora vieram a ser descobertas.

Publicidade

Depois de apresentada a queixa, na passada semana, descobriu-se um verdadeiro pesadelo no seio de uma família na ilha Terceira.

Publicidade

Um indivíduo de 70 anos teria cometido durante vários anos abusos sexuais na ilha, sendo, na altura, uma das vítimas a própria filha que, conforme escreve o Correio da Manhã, “nunca teve coragem de denunciar o pai”. Contudo, a maioria destes casos já prescreveu.

Recentemente, este homem estaria a abusar de três meninas, de 4, 5 e 9 anos, que seriam, ao que tudo indica, a neta, a bisneta e uma amiga destas.

Adianta ainda o Correio da Manhã que “as crianças eram aliciadas com gelados, doces, iogurtes e até com sandes com manteiga”.

Já de acordo com o Diário de Notícias, que cita o comunicado do Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada da PJ, “os abusos, ocorridos na ilha Terceira, em contexto intrafamiliar e de vizinhança, ter-se-ão iniciado há vários anos e, desde então, continuaram a ser praticados pelo suspeito, que se aproveitava do ascendente que tinha sobre as crianças e das suas baixas idades para delas abusar sexualmente”..

Publicidade

Depois da denúncia, a PJ procedeu à detenção, sendo que apenas ontem, 6 de Outubro, é que o indivíduo foi presente a tribunal para lhe serem aplicadas as medidas de coação.

Reformado, este homem teria trabalhado na Marinha Mercante e nunca levantou suspeitas sobre a prática de abusos sexuais.

Ainda no mês passado, um outro indivíduo, de 37 anos, foi detido em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, pela prática de crimes semelhantes. Em causa estariam mais de duas centenas de abusos sexuais a menores dependentes. #Justiça #Crime