Na quarta-feira ao final da manhã uma funcionária da empresa de reciclagem Seraical, em Santa Maria da Feira, foi violentamente esmagada por um fardo de papel com cerca de quatrocentos quilos. O filho de 19 anos, que também trabalha na empresa, assistiu à tragédia e foi este que avisou os funcionários para chamarem os #Bombeiros. Quando estes chegaram ao local o corpo da mulher de 40 anos já tinha sido retirado sem vida. O filho que viu a sua mãe ser esmagada já está a receber ajuda psicológica, segundo informa um familiar ao Correio da Manhã.

Num acidente de trabalho fatal, Alexandra Manart foi surpreendida e acabou por ser esmagada por um fardo de papel completamente moído, com cerca de quatrocentos quilos. Segundo os relatos dos funcionários, a mulher trabalhava com dois colegas, mas a causa para este descuido fatal ainda não foi apurada. Quem assistiu "in loco" à tragédia foi o filho da vítima, que rapidamente se apercebeu da gravidade da situação e começou a gritar por socorro.

Uma senhora que mora perto do local da fábrica da empresa de reciclagem revelou ao Correio da Manhã que começou a ouvir muitos gritos e que só ouvia um rapaz a gritar que a sua mãe tinha morrido. Quando os Bombeiros da Lourosa chegaram, os funcionários já haviam retirado o corpo debaixo do pesado fardo papel, mas a senhora, completamente esmagada, não terá resistido ao primeiro impacto. As razões para este mortal acidente ainda estão por apurar e a empresa Seraical não abriu portas desde este trágico episódio.

Segundo noticia o Correio da Manhã, a mãe e o filho trabalhavam juntos naquela empresa há cerca de um ano e meio e, infelizmente, o jovem assistiu a tudo, sem ter conseguido evitar o acidente fatal. O funeral de Alexandra Manart está marcado para amanhã e a senhora deixa um filho de 19 e duas filhas menores. É ainda desconhecida a data de reabertura da fábrica da empresa de reciclagem, visto que o local ainda será alvo de investigações, a fim de averiguar as possíveis causas do acidente e se a empresa cumpre com todos os padrões de segurança mínimos.