Os dois homens que faleceram na sequência do trágico acidente laboral que teve lugar em Abrantes (distrito de Santarém) no final do dia da passada segunda-feira, dia 17, são da zona de Aveiro. O acidente deu-se quando uma placa de betão de revestimento da fachada do edifício da nova Unidade de Saúde Familiar de Abrantes, com um peso de mais de duas toneladas caiu, vitimando os dois trabalhadores.

Eduardo Duarte, de 35 anos, natural da Gafanha d’Aquém, residente na Gafanha da Nazaré com a mulher e as duas filhas de cinco e 13 anos, morreu ainda no local. João Andrade, acabou por morrer no Serviço de Urgências do Hospital de Abrantes. Com 49 anos e morador em Paus, Alquerubim, no concelho de Albergaria-a-Velha, sendo natural de S. João de Loure, era casado e tinha três filhos, de 15, 23 e 27 anos. A notícia deixou as duas famílias em estado de choque.

Os dois homens trabalhavam para uma empresa com sede em Arrifana, a Montest do grupo Tagar, uma empresa especializada na montagem de estruturas pré-fabricadas do concelho de Santa Maria da Feira.

De acordo com o website Pordata (Base de dados Portugal Contemporâneo), e com os dados disponíveis, o número de acidentes de trabalho mortais em Portugal têm vindo a diminuir nos últimos anos, embora continuem a ser bastante altos. Para tal tem contribuído o aumento das medidas de segurança implementadas, bem como as equipas de fiscalização no terreno, que aplicam multas pesadas, muitas vezes na ordem das dezenas de milhares de euros, às empresas que não as cumprem.

Embora haja uma elevada fiscalização por parte das autoridades competentes, a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), a construção civil continua a liderar o número de acidentes de trabalho mortais, seguida pelas indústrias transformadoras e o sector primário (agricultura e pescas).

Só entre janeiro e julho de 2015, 76 pessoas morreram em acidentes de trabalho em Portugal, colocando o nosso país como um dos que tem a mais elevada taxa de incidência de acidentes de trabalho graves e mortais da Europa. Em 2014, 135 pessoas perderam a vida enquanto trabalhavam. #Tragédia