Era apenas mais uma noite agitada para um casal de Aveiro (Catarina Figueiredo, 30 anos e Tiago Cachim, 34 anos), cuja bebé de apenas dois meses e meio de vida chora várias vezes devido a fortes cólicas. Pouco depois de ter conseguido adormecer a criança, o casal teve uma surpresa bastante desagradável: dois agentes da PSP tocaram à sua porta. A razão para tal tem a ver com, pelo menos, duas queixas feitas por vizinhos do casal, incomodados com o choro constante da criança. Furioso com a atitude dos vizinhos, o casal escreveu-lhes uma carta aberta que afixou no elevador do prédio, criticando a sua atitude e "agradecendo" pela sua atenção de uma forma sarcástica. A mesma carta foi partilhada nas #Redes Sociais por Catarina, algo que gerou uma grande onda de solidariedade viral para com a situação do casal.

Catarina aponta na carta que, infelizmente, não consegue impedir a sua bebé de chorar, salientando que se trata de uma bebé que sofre de cólicas constantes e que a pequena não tem "nenhum botão de desligar". A mesma carta também "convida" os queixosos (de uma forma irónica) a que, nas próximas ocasiões em que se sintam incomodados pelo choro da criança, batam à porta de Catarina e Tiago, de forma a partilharem os seus "ensinamentos" sobre como fazer parar o choro de um bebé.

A mesma carta foi partilhada nas redes sociais por milhares de pessoas, bem como pelo humorista Nuno Markl, que revelou identificar-se com aquilo por que o casal está a passar. A publicação, oriunda do perfil de Facebook de Catarina, já conta com quase seis mil partilhas até ao momento.

A mãe da criança explicou ao Jornal de Notícias que Maria Eduarda (a sua bebé) estava a sofrer de cólicas constantes desde a passada quarta-feira e que, na noite em que apareceu a polícia, foi complicado acalmar a pequena. No entanto, os vizinhos que fizeram a queixa ainda não foram identificados. 

A PSP chegou a identificar o pai da menina, mas, de acordo com o Jornal de Notícias, o caso não teve quaisquer contornos legais. #Insólito