Um casal, com 23 e 30 anos, tentou assumir a paternidade de um bebé à margem do sistema de adopção em vigor no nosso país. O caso aconteceu em Novembro do ano passado com uma criança que tinha nascido no Hospital de Santa Maria da Feira, no distrito de Aveiro, e filho de um casal que alegou ter dificuldades económicas e sociais para garantir um futuro digno à criança. Contudo, o plano correu mal e a #Polícia Judiciária anunciou nesta sexta-feira, 20 de Maio, que identificou e deteve o casal que pagou uma “elevada quantia” para ficar com o bebé. São vendedores ambulantes e agora poderão vir a ser acusados pela prática do #Crime de tráfico de pessoas.

Num comunicado tornado público nesta sexta-feira, a Polícia Judiciária esclarece que o casal está “fortemente indiciado” pela prática do crime de “tráfico de seres humanos”, visando um bebé recém-nascido. Trata-se do culminar de uma investigação desenvolvida pela Directoria do Norte daquela polícia criminal, que acabou por identificar e deter o casal, “no cumprimento de mandados de detenção”. Em causa está a alegada compra de um bebé recém-nascido, cujo parto ocorreu no Hospital de São Sebastião, em Santa Maria da Feira, uma unidade pertencente ao Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga.  

De acordo com os inspectores, os factos remontam a Novembro de 2015, quando os arguidos, de 23 e 30 anos, vendedores ambulantes, terão adquirido o bebé a um casal de nacionalidade estrangeira que argumentava ter “dificuldades económicas e sociais”. Desta forma, mediante o pagamento de “elevada quantia”, que segundo o jornal Correio da Manhã foi de 2.500 euros, o casal acabou por assumir a “paternidade à margem do sistema legal de adopção”, refere o comunicado emitido pela Polícia Judiciária.

A Polícia Judiciária acrescenta, no mesmo comunicado público, que os detidos serão presentes a juiz de instrução criminal para serem sujeitos a primeiro interrogatório judicial, com vista a conhecerem quais as “medidas de coacção tidas por adequadas”. #Justiça