A Câmara Municipal de Aveiro ratificou o despacho do presidente para aprovação do licenciamento da nova fábrica de papel tissue (consumo doméstico) da empresa The Navigator Company (antiga Portucel), em Cacia. "Com esta deliberação, estão reunidas as condições de base para se emitir o alvará de construção, pagando a Navigator uma taxa de licenciamento de cerca de 225 000 euros", informa a autarquia.

A unidade terá uma capacidade final de produção de 240 mil toneladas por ano, representando um investimento próximo dos 420 milhões de euros e cerca de 300 novos postos de trabalho até ao ano de 2022.

O início da atividade produtiva está previsto para o segundo semestre de 2016, com uma relevante componente de exportação. Na primeira fase, que foi agora alvo de licenciamento, vai concretizar um investimento de 100 milhões de euros e criar 100 novos postos de trabalho, adianta a autarquia aveirense em comunicado.

A unidade integra o Plano de Pormenor da Zona Industrial de Cacia, que inclui também a construção da nova variante rodoviária, com um investimento total de cerca de 1,2 milhões de euros. A obra terá o seu início ainda este mês.

A Navigator comparticipou com 35 mil euros os custos do Plano de Pormenor e do projeto da nova Variante. Para comparticipar a obra, irá entregar 500 mil euros.

Segundo a Câmara de Aveiro, o investimento "constitui uma oportunidade muito significativa de dinamização e crescimento económico e de promoção do emprego, no contexto atual muito relevante, devidamente articulada com uma estratégia integrada de Ordenamento do Território e de sustentada coesão social". Além do mais, lê-se ainda, surge "num saudável processo de cooperação entre uma empresa privada, com relevante financiamento privado a uma obra pública, o que viva e publicamente saudamos".

Em julho passado, a administração da Navigator garantiu ao município que a nova fábrica de papel “tissue” era mesmo para avançar em Cacia, desmentindo assim uma notícia do Jornal de #Negócios, que apontava para o "congelamento" do investimento devido à política do Governo para o eucalipto. #Emprego #Economia