Um rapaz de 15 anos morreu na manhã desta segunda-feira, 16 de Janeiro, ao ser colhido por um comboio numa passagem de nível. O trágico acidente ocorreu quando Rúben Pinto atravessava a principal linha ferroviária do país para embarcar num comboio para ir para a escola. Rúben Pinto foi colhido por um Alfa Pendular que fazia a ligação entre o Porto e Lisboa. A morte do adolescente deixou em estado de choque a comunidade, amigos e família.

A tragédia aconteceu no apeadeiro de Carvalheira – Maceda, no distrito de Aveiro, a pouca distância da casa de habitação do jovem de 15 anos. Ainda não eram 8 horas da manhã desta segunda-feira, 16 de Janeiro, e Rúben Pinto cumpria a rotina diária de ir apanhar o comboio para viajar até Espinho, onde frequentava o 9º ano de escolaridade na Escola Básica 2,3 Sá Couto. O adolescente estaria a atravessar a Linha do Norte, terá avistado um comboio parado, mas não se apercebeu da passagem do Alfa Pendular, sem paragem.

O estudante foi colhido e terá tido morte imediata. Quando os operacionais dos #Bombeiros Voluntários de Esmoriz chegaram ao local já nada podiam fazer. Ainda foi accionada uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas o médico elemento da tripulação, limitou-se a certificar o óbito.

A informação foi prestada pelo segundo comandante daquela corporação de bombeiros. Óscar Alves disse aos jornalistas que o jovem terá sido colhido acidentalmente pela composição ferroviária. No outro lado da linha férrea estaria parado um comboio, e Rúben Pinto, ao atravessar a passadeira, não se deve ter apercebido da circulação de um outro comboio em sentido contrário, colhendo-o, afirma o operacional.

Ao saber do trágico acidente, foram muitos os populares que se deslocaram ao local, assim como a mãe, o padrasto e o padrinho de Rúben Pinto, que ficaram em estado de choque. Para além dos elementos dos Bombeiros Voluntários de Esmoriz e da VMER do INEM, afecta ao Hospital de Santa Maria da Feira, foram mobilizados, ainda, militares da Guarda Nacional Republicana e elementos da empresa pública Infraestruturas de Portugal, responsável pelas linhas ferroviárias do país. A circulação de comboios, naquele troço da Linha do Norte, efectuou-se de forma condicionada, através de uma só via, durante cerca de uma hora. #Acidente Ferroviário