Um homem de cerca de 65 anos, apelidado por “Zé Mau”, foi fotografado e filmado a tentar afogar a sua mulher, Alexandrina, na passada sexta-feira, 7 de Abril. A situação foi denunciada à Guarda Nacional Republicana (GNR) que, entretanto, resgatou a vítima e a encaminhou para uma casa-abrigo. A situação aconteceu no concelho de Águeda, no distrito de Aveiro. O agressor é conhecido na zona pelos seus actos de violência doméstica sobre a mulher.

Foi um vizinho do casal, residente na localidade de Paredes (Águeda) que, ao passar numa das margens do rio Águeda, foi atraído pelos gritos aflitivos da mulher. O homem acabaria por registar o momento através do seu telemóvel, tentando que o agressor não prosseguisse com a sua intenção.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, publicado nas redes sociais, ouve-se a testemunha a gritar para que o homem libertasse a mulher, e a aconselhar a vítima a apresentar queixa na Guarda Nacional Republicana, afirmando que o agressor “já devia estar na prisão há muito”. Perante a presença da testemunha, o homem acabaria por libertar a mulher, que com esforço conseguiu de dentro da água, molhada e suja de lama.

Foi a própria testemunha que acabou por entregar as imagens aos militantes da Guarda Nacional Republicana, denunciando a situação, tendo informado que assistiu o agressor a mergulhar a cabeça da vítima com grande violência. Na localidade onde reside o casal há quem diga que aquela não foi a primeira vez que o “Zé Mau” tentou matar a mulher, chegando a dizer que uma das vezes o agressor recorrer a uma arma caçadeira.

Publicidade

No entanto, a vítima nunca chegou a formalizar queixa junto das autoridades. Agora, Alexandrina foi retirada da habitação pelos militantes da GNR, que se deslocou à residência com a intenção de deter o agressor. Contudo, o homem estava ausente em parte incerta.

Segundo informações da GNR, a prioridade recaiu em garantir segurança à vítima, pelo que foi encaminhada para uma instituição de abrigo a mulheres vítimas de violência. O caso foi, entretanto, participado ao Ministério Público, a quem compete avaliar o processo, podendo ser emitido um mandado de detenção em nome do agressor. Ao acontecer, caberá às autoridades policiais dar cumprimento ao referido mandado, procedendo à detenção do homem, apresentando-o a primeiro interrogatório judicial junto do juiz de instrução criminal, a quem compete determinar as medidas de coação julgadas convenientes. #Crime #Afogamento