"Ouvi um estrondo e percebi logo que algo de mal se passava com os vizinhos", conta Amadeu Correia, morador na Rua Gatão, onde esta manhã de terça-feira, 14 de abril, na freguesia de Espinho, concelho de Braga, ocorreu uma violenta explosão no interior de uma habitação unipessoal. As vítimas, uma família de quatro pessoas, foram transferidas para unidades de saúde do Porto e Lisboa em estado grave.

Casal e filhos menores são as consequências humanas da ocorrência que mobilizou mais de 20 elementos de socorro pouco depois das 7:30 horas desta amanhã. Bombeiros Voluntários de Braga, Companhia de Sapadores de Braga e as duas Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação (VMER´S) de Braga e Barcelos estiveram no local, uma freguesia rural de Braga que fica situada nas "traseiras" da Basílica do Sameiro.

Segundo informações fornecidas no terreno por elementos afetos ao socorro, tudo aponta para que a origem da explosão, seguida de incêndio urbano, tenha tido origem numa fuga de gás. "Segundo uma das vítimas, esta disse que tinha ido aquecer o leite para as crianças. Quando acendeu o fogão houve de imediato a explosão", confirmou à Blasting News fonte ligada aos bombeiros.

Pais, a rondar os 37 anos, e filhos, ambos rapazes de 8 e 16 anos, têm queimaduras em mais de 50 por cento do corpo. "Vão ser transferidos para os hospitais do Porto e Lisboa", disse fonte do Hospital de Braga, onde deram entrada as vítimas esta manhã, pouco depois das 8:15 horas. Pais e filho mais velho foram encaminhados para o Hospital do São João, no Porto, e o filho mais novo transferido para o Hospital Dona Estefânia em Lisboa.

Segundo Armando Rosas, da Companhia de Sapadores de Braga, será preciso realojar a família. "A casa não oferece condições de habitabilidade", confirmou. A Blasting News sabe que elementos da junta de freguesia de Espinho, assim como os serviços de proteção civil de Câmara de Braga, estão a par da ocorrência no sentido de providenciar, caso necessário, ajuda à família.

A Guarda Nacional Republicana do Posto Territorial de Sameiro tomou conta da ocorrência e a Polícia Judiciária foi chamada ao local, situação normal sempre que há ocorrências do género ligadas a explosões.