Uma professora da Escola Gonçalo Sampaio, na Póvoa do Lanhoso, é suspeita de ter tido relações sexuais com um dos seus alunos, de 15 anos. A docente, que leciona Físico-Química, diz que nunca houve qualquer "contacto amoroso" com o estudante do 9º ano. A professora e o aluno ter-se-ão encontrado por várias vezes, mas a defesa alega que estes mesmos encontros não passavam de simples explicações, visto que o aluno, identificado como José Miguel, tinha grandes dificuldades em seguir a matéria, uma vez que ocupava metade do seu tempo na escola e a outra metade em atividade desportiva, onde representava o Moreirense, segundo o Jornal de Notícias. No entanto, foi o próprio estabelecimento de ensino que deu o alerta e comunicou às autoridades competentes para este tipo de casos.

O aluno queixa-se, ao referido jornal, que tudo isto não passou de uma manobra para expulsar a professora da escola, visto que, segundo o mesmo, nunca tiveram um relacionamento, pois eram "amigos". José Miguel confessa, no entanto, que a professora o levou para sua casa "algumas vezes" e que estes mantinham contacto por telefone. Por sua vez, a professora já comentou, igualmente, o assunto, dizendo que, da sua parte, não houve qualquer proximidade para com o aluno, mas que este último poderia ter-se sentido atraído por si, uma vez que se encontra numa idade propícia a tal situação. Mais, a docente informou ainda que mantinha uma relação professor-aluno mais vezes com José Miguel, do que com os outros discentes, porque, de alguma forma, "sentiu pena" dele, e que além das dificuldades escolares, este tem "grandes carências sociais".

O advogado da docente, José Magalhães, em declarações à Lusa, disse que "não há fundamento nenhum" e que a professora em questão deverá avançar com um processo contra a escola pelos "danos gravíssimos" que causou. A diretora da escola, Luísa Sousa Dias, em declarações à Lusa, afirmou que fez esta denúncia, numa tentativa de "salvaguardar" o aluno e a professora em causa. O processo deverá continuar, nos próximos dias, com as audiências ao aluno e à professora por parte da Inspeção-Geral da Educação.