#Bombeiros salvam cria de coelho de fogo florestal que dura há mais de seis dias em Esposende. A zona do Marachão, assim é conhecido aquele lugar na Freguesia de Rio Tinto, tem sido palco de sucessivos incêndios florestais. Com uma densa mata, são às dezenas os #Animais que dali fogem. Um desses animais saiu em chamas, com uma pata arder, mas os Bombeiros Voluntários de Fão foram em socorro deste e conseguiram salvá-lo.

O pequeno coelho até cabe dentro de um capacete dos bombeiros e não faltaram logo as "piadas da praxe". "Se fosse o outro Coelho, não sei se merecia salvamento", disse José Matos, morador na freguesia que até anda revoltado com os incêndios. "Só mesmo um ação como esta, de altruísmo, é que nos coloca a sorrir. É apenas um pequeno coelho, mas não deixa de ser um ser vivo", acrescentou.

Desde há seis dias para cá, e depois de um #Incêndio florestal que chegou a ter três frentes, a ocorrência ficou controlada e entrou em fase de rescaldo. "O problema tem sido os vários reacendimentos", informou fonte do comando dos Bombeiros Voluntários de Fão.

Os bombeiros recusam assumir "mau rescaldo" e têm razões para acreditar em "mão criminosa". "Basta virar as costas e as chamas voltam", dizem, pedindo às autoridades mais patrulhamento. No entanto, só um ato de salvamento é que colocou sorrisos nos bombeiros. Álvaro Campos, sub-chefe dos Bombeiros Voluntários de Fão, resgatou o pequeno coelho. "É uma cria. A nossa missão de bombeiros é salvar e proteger", disse, por entre largos sorrisos enquanto protegia o coelho. Depois de horas a salvaguardar bens, viu o animal sair em desespero da mata e com um membro inferior arder.

O resgate do coelho bebé foi feito com sucesso e foi levado para os "cuidados médicos". "A preservação da natureza e dos animais que lá habitam é o outro dos nossos objetivos principais. O coelho bebé que se encontrava no meio das cinzas perdido e o amor à causa fizeram com que a equipa adotasse o bichinho, que irá ser tratado até reunir condições de ser devolvido ao seu habitat natural", disse à Blasting News fonte do comando dos BVF.

Incêndio começa em cabo de média tensão

O toque de um ramo num cabo de média tensão poderá estar na origem do incêndio de Marachão. As autoridades da GNR investigam, mas tudo aponta que as faíscas, originárias do toque, provocaram o incêndio florestal. A complicar, a zona já não era alvo de uma situação de incêndio há 32 anos, daí que haja muita manta morta acumulada no solo, com vegetação muito densa e de fácil combustão.