Um #Incêndio urbano que aconteceu esta manhã na zona Este da cidade de Braga, provocou uma vítima mortal. Apesar dos esforços dos meios de socorro, nomeadamente da Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga, o idoso, de 82 anos de idade, foi encontrado morto no interior do apartamento. Segundo familiares, a vítima era um membro da Polícia de Segurança Pública já reformado.

No local, na Rua Doutor Elísio Moura, corriam duas versões sobre o que terá causado o incêndio no apartamento onde Custódio vivia sozinho por vontade própria. Uns apontavam para o facto deste polícia reformado fumar muito, indicando que poderá ter sido uma ponta de cigarro mal apagada a provocar o incêndio no apartamento. No entanto, as autoridades também falaram num aquecedor "colado" ao sofá, pois o idoso, mesmo com tempo quente, mantinha sempre o aparelho ligado.

"Na semana passada chegou a ir ao Hospital de Braga com queimaduras provocadas por esse aquecedor", refere o vizinho Paulo Jorge Martins. Devido a este acontecimento, muitas pessoas tiveram uma manhã sobressaltada nas Enguardas, como é conhecida a zona onde se deu o incêndio na freguesia urbana de São Victor, e vieram até à rua.

Meios do INEM e dos Bombeiros Sapadores de Braga estiveram no teatro de operações. "No total estivemos seis elementos, apoiados por uma viatura pesada de combate a incêndios urbanos num ataque rápido, uma ambulância INEM com dois elementos, e mais tarde a viatura de transporte de cadáver", referiu Jorge Pereira, chefe de serviço da Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga.

Segundo o presidente da junta de freguesia de São Victor, Ricardo Silva, o idoso vivia sozinho por vontade própria. "Era uma pessoa que queria ter a sua independência. Em frente morava até um familiar, mas ele preferia estar sozinho. Já prestámos condolências à família e estamos disponíveis para ajudar no que for preciso", disse o autarca de São Victor, que, juntamente com o vice-presidente da câmara de Braga, Firmino Marques, e com a equipa de Proteção Civil da Câmara de Braga, estiveram no local a prestar apoio.

A Polícia de Segurança Pública esteve no local, assim como a PJ, para investigar as causas do incêndio urbano.