O duo, conhecido como "Casal das Bicicletas", foi apanhado em flagrante por populares no centro da Vila de Fão, concelho de Esposende. O casal preparava-se para assaltar a caixa de esmolas da capela da Nossa Senhora de Fátima. A Guarda Nacional Republicana ainda foi chamada, tendo apanhado o casal na freguesia de Gandra, do outro lado da margem do Rio Cávado artilhado com "material" utilizado para os supostos roubos.

Segundo foi possível apurar, têm sido várias as capelas, umas mais isoladas e outras no centro de localidades, vítimas de assalto através de método muito comum para as autoridades, mas desconhecido para os cidadãos. Os larápios, com um ferro e com fita cola na ponta, introduzem pela ranhura das caixas de esmolas o artefacto e, literalmente, "pescam" o dinheiro existente.

Este foi o método, alegadamente utilizado, segundos testemunhos, pelo casal que se deslocou à Capela da Nossa Senhora de Fátima, no passado fim de semana e durante a visita da "Virgem Peregrina", no centro da vila de Fão, mesmo ao lado da mercearia Carvalho. "Eles já rondavam esta zona há mais de dois meses. É um casal conhecido e envolvido neste tipo de #Crime um pouco por toda a região", revela a testemunha que "caçou" os larápios, evitando o roubo, mas que não se quis identificar. Esta não foi a primeira vez que se deslocaram à capela. "Uma senhora assistiu mesmo a um roubo aqui há uns tempos e eles nem se perceberam que ela estava a ver", conta a mesma testemunha.

O casal, depois de abordado por populares, conseguiu escapar rumo ao outro lado da margem do Rio Cávado, onde acabou por ser identificado pela GNR de Esposende. "Têm residência na Póvoa de Varzim", indicou fonte policial. Segundo apurou a Blasting News, este tipo de situação tem sido muito comum em igrejas e capelas abertas ao culto no Minho. Geralmente despidas de gente, as caixas de esmolas acabam por ser alvo fácil para os ladrões que atuam "à vontade".

Desde a Basílica do São Bento da Porta Aberta em Terras de Bouro, passando pelos lugares de culto do Baixo Cávado e terminando nas zonas da costa litoral de Esposende e Póvoa de Varzim, têm sido vários os registos de assaltos.