É já neste sábado, 27 de junho, que a cidade de Braga recebe a terceira edição da Marcha pelos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros (LGBT). "Contra a violência transfóbica" é o lema do coletivo Braga Fora do Armários (BFA) que organiza a marcha. O Partido Nacional Renovador (PNR) defende que "as marchas não contribuem para a igualdade". É sempre num clima tenso e de "olhares suspeitos" que a marcha de Braga #LGBT é vivida na cidade dos padres.

Na primeira edição, e durante a noite, o PNR colocou cartazes ao longo do trajeto da marcha lembrando "a defesa da família tradicional", "contra a decadência da sociedade" e "pelos direitos das crianças". Cartazes que foram rasgados por alguns elementos LGBT à medida que passava a marcha.

"Ninguém deve ser prejudicado ou perseguido pela sua opção sexual, no entanto está frontalmente contra o casamento homossexual e a adopção", diz Vítor Manuel Ramalho, membro da Comissão Política Nacional do PNR, responsável pelo partido na região Norte e cabeça de lista pelo Porto nas próximas eleições.

A marcha é realizada numa cidade, e segundo comunicado do BFA, "das mais conservadoras", levando alguns elementos LGBT a utilizar a expressão "vimos tirar o mofo a Braga". Vitor Manuel Ramalho considera algumas das atitudes da marcha como "provocatórias e de mau gosto". "Estamos frontalmente contra o casamento homossexual e a adopção. Agora, também consideramos que muitas destas marchas não contribuem para promover a igualdade que os seus promotores reclamam, antes pelo contrário promovem a diferença, são por vezes provocatórias e de mau gosto", frisa.

No entanto, Eduarda Sousa, da BFA, destaca que o objetivo da marcha é alertar para a discriminação. "Vivemos num contexto histórico e político de múltiplas situações de discriminação e violência (inter)nacionais contra as pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexo e poliamorosas. Destacamos a violência transfóbica porque continua a ser uma das mais invisibilizadas", destaca Eduarda Sousa.

O percurso da marcha passa pela Sé Catedral de Braga, Igreja da Misericórdia, Igreja dos Terceiros, Câmara Municipal, Jardim de Santa Bárbara e termina na Praça da República, onde será lido um manifesto. #Justiça #Manifestação