Numa visita recente a Braga, o primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho disse que "era importante que o país soubesse acompanhar a pedalada de Braga", referindo-se ao crescimento económico recente da 'Cidade dos Arcebispos'. Agora, em entrevista ao jornal Económico, é o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, a explicar o sucesso da cidade que preside. Se Braga é a cidade mais jovem do país, está agora a retirar os dividendos disso. As parcerias com a Universidade do Minho, os investimentos estrangeiros e a aposta nas novas tecnologias ajudam a explicar o sucesso económico de Braga.

Quem passa por Braga pode confirmar que nos últimos anos a cidade está a crescer. Se o país tem a economia estagnada e se debate contra o drama do desemprego, Braga parece tentar o milagre e ruma num sentido inverso. "As coisas começam a inverter. A economia bracarense está mais dinâmica", constata António Marques, presidente da Associação Industrial do Minho, em declarações ao jornal Económico, apontando os exemplos da Bosch, da Altice, da Concentrix e do Ikea como os grandes impulsionadores de emprego na cidade.

Um crescimento económico que pode ser analisado nos Centros de Emprego, e que pode ser explicado pela "mão de obra qualificada e jovem que resulta do trabalho desenvolvido pela Universidade do Minho, mas também das infra-estruturas e do seu geoposicionamento (proximidade ao porto de Leixões e aeroportos do Porto e de Vigo)", segundo afirma o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, citado pelo Económico.

Mas se o mandato do presidente está a ser marcado pelo crescimento dos postos de trabalho, é mesmo esta a intenção primordial. Uma tendência que quer manter, ao revelar alguma ambição quando indica o objectivo de conseguir 500 novos postos de trabalho por ano durante a sua legislatura.

A crise na construção civil fez estremecer a cidade, mas Braga encontrou respostas noutras áreas. "O sector da metalomecânica, o têxtil, o calçado, o próprio comércio estão a dar cartas na região", garante António Marques (Associação Industrial do Minho). Mas é nas novas tecnologias que a cidade mostra a sua melhor versão.

O Laboratório Ibérico de Nanotecnologia contribui, de forma decisiva, para o investimento estrangeiro, mas são empresas como a Bosch, Primavera, Eticadata, F3M ou Edigma que estão a absorver muita da mão-de-obra jovem especializada da cidade e a catapultar a economia local.

O que também não fica esquecido é o Turismo. Conhecida como a 'Cidade dos Arcebispos', Braga continua a centrar as atenções no turismo religioso, onde ostenta um património muito rico e diverso que está a encantar, além dos espanhóis, também os brasileiros, norte-americanos, filipinos e sul-coreanos. #Negócios