A história é contada num raio de 40 quilómetros, entre Braga e Esposende. Uma mulher de 51 anos foi salva esta terça-feira, dia 25, pouco depois das dez da manhã, de morrer afogada na Praia da Pedrinhas, Vila de Apúlia no Concelho de Esposende. Pescadores que se encontravam na zona conseguiram retirar a mulher do mar. A quinquagenária, segundo as autoridades, estava dada como “desaparecida” em Braga há mais de 24 horas.

Mulher foi salva por pescadores que estavam na praia

Ainda são desconhecidas as razões da situação, apenas sabendo-se que a mulher, sem identificação, foi retirada do mar por pescadores que estavam no local “à hora certa”. “Ela estava no mar e aflita. Até que uma onda mais forte a atirou ao fundo”, conta Ricardo Gomes, veraneante de Barcelos que estava na praia pouco depois das dez da manhã e que assistiu ao desenrolar da situação. “Quando a viram aflita no mar, vários pescadores foram para o local e conseguiram trazê-la para a praia”, frisou o veraneante, indicando que as pessoas que estavam no local - poucas face ao frio que se fazia sentir - ligaram para os Bombeiros de Esposende que passaram de imediato à congénere de Fão.

Os pescadores retiraram do mar a mulher já inconsciente, mas após as primeiras manobras de socorro a mulher começou a recuperar. “À nossa chegada a senhora já estava com uma muda de roupa e consciente”, referiu fonte dos Bombeiros Voluntários de Fão, corporação que foi acionada via Centro de Operações de Doentes Urgentes para um #Afogamento.

Vítima foi estabilizada no local

Após estabilização da vítima, esta foi transportada para o Hospital de Braga. Ao que foi possível apurar, a mulher entrou na urgência como “ferido ligeiro”. “Está estável e a recuperar”, indicou fonte daquela unidade hospitalar.

A mulher estava dada como desaparecida

Segundo foi possível apurar, a mulher é residente e natural de Braga e desde ontem que os familiares desconheciam o seu paradeiro. “Foi dada como desaparecida nas autoridades de Braga e havia muita preocupação por parte da família”, frisou fonte da Guarda Nacional Republicana, autoridade que tomou conta da ocorrência.