Foi com natural comoção que a freguesia de Belinho (Esposende) se despediu de Manuel Costa Amorim, sacerdote católico que desempenhou o cargo de Capelão Chefe das Forças Armadas e de Segurança, aposentado no posto de contra-almirante na Marinha. Manuel Amorim faleceu em Lisboa no hospital Garcia de Orta, na madrugada da passada sexta-feira, vítima de doença prolongada. O sacerdote distinguiu-se na carreira eclesiástica mas também na carreira militar, atingindo a maior graduação em função que algum sacerdote em idênticas funções havia atingido. Em virtude do seu prestigio e das funções que desempenhou, o seu corpo foi velado pela guarda de honra do corpo de fuzileiros, sendo-lhe concedidas honras militares condizentes ao posto que ocupava.

A primeira grande homenagem póstuma foi prestada no passado sábado dia 17 numa missa de corpo presente celebrada pelas 09 horas da manhã na capela da base naval do Alfeite em Almada, pelo Bispo do Ordinariato Castrense - Diocese das Forças Armadas D. Manuel Linda, concelebrada por D Januário Torgal Ferreira, seu antecessor, agora Bispo Emérito, entre outros sacerdotes.

Durante a celebração, o Bispo enfatizou as qualidades de serviço do malogrado sacerdote, o que já tinha feito aquando a noticia do seu falecimento em nota distribuída à imprensa: "Detentor de um temperamento jovial, polido, afetuoso e humilde, relacionou-se com todos com a maior simplicidade e forte espírito conciliador. Sem jamais ceder na sua ligação à fé e à sua condição de sacerdote, nunca a sua pertença à Igreja constituiu motivo de segregação ou de inimizade com alguém. (...)

O mesmo pesar manifestou o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, em nota publicada nas redes sociais, realçando as qualidades humanas do sacerdote, que havia condecorado com a medalha de mérito municipal na última sessão solene do dia do Município e da Cidade de Esposende, ocorrida a 19 de Agosto último.

As cerimónias fúnebres do malogrado sacerdote tiveram lugar na igreja paroquial de Belinho, no Domingo 18 de Outubro pelas 17 horas, sendo presididas pelo arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga. À homilia, o preladobracarense inspirou-se nas palavras do evangelho do dia: a partilha do cálice e da glória de Cristo, num contínuo serviço à igreja. D. Jorge Ortiga enfatizou o carácter servil e solidário do malogrado sacerdote, o orgulho que a Igreja bracarense sentia no seu serviço pastoral e a comunhão que sempre sentiu com ele.

No dia mundial das Missões, o Arcebispo de Braga reforçou e adaptou a homilia à personalidade do Padre Amorim, ao desempenho da sua carreira militar em permanente serviço à igreja, mais concretamente no trabalho pastoral em prol da Diocese das Forças Armadas e da Diocese de Braga.

Terminou a sua Homilia o Arcebispo de Braga com uma frase acutilante de autoria do filosofo francês Gabriel Marcel: "Amar alguém é dizer-lhe: Tu não morrerás jamais", para completar o raciocínio no nome do Padre Amorim, que jamais será esquecido.

A celebração foi tendo o seu curso normal intervalada por cânticos de autoria de Coral de Belinho, até ao triplo momento de acção de graças, protagonizada por uma oração rezada pelo seu irmão Juvenal Amorim, uma prece e reflexão pelo pároco de Belinho Padre José Manuel Ledo, um agradecimento e uma singela homenagem familiar por outros dos seus irmãos, António Amorim. Depois das celebrações religiosas foi o corpo depositado no cemitério paroquial de Belinho, recebendo honras militares do Corpo de Fuzileiros, a primeira companhia onde o extinto sacerdote se integrou.

O Padre Manuel da Costa Amorim nasceu em Belinho a 31/01/1952, tendo sido ordenado sacerdote a 18 de Julho de 1976. com o seu falecimento a comunidade paroquial de Belinho despede-se pela segunda vez este ano de um sacerdote natural da terra depois do trágico falecimento do Padre José Miguel Torres Pereira em Janeiro ultimo.

#Religião #Personalidades #Desaparecimento