A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e o Grupo Idioteque estabeleceram uma parceria chamada “empresariato” que visa tornar Famalicão no centro nevrálgico do pensamento empresarial. A ideia foi apresentada no mês de Novembro e a primeira ação vai acontecer já no mês de Dezembro com a “Batalha Criativa”, a ter lugar na empresa Continental Mabor, em Lousado. Estamos assim perante um conceito diferenciador, em que os habituais oradores vão ser substituídos por “agitadores” de diversas áreas de atividade, que desafiarão os presentes a pensarem, em conjunto, as empresas. Esta nova abordagem rompe definitivamente com a tradicional plateia passiva, dando a outros agentes a possibilidade de estabelecerem a diferença.   

“A ideia é pensar o empresariado fora da caixa, envolvendo, para isso, todo o meio”, explicou Manuel Andrade, administrador do Grupo Idioteque, ao jornal Opinião Pública, acrescentando ainda que “há muitas terras que se salientam por muitas coisas, mas nenhuma que se saliente pelo pensamento empresarial”. E conclui: “Gostaríamos que fosse Famalicão”. O “empresariato” pretende ser um evento anual, contemplando várias atividades em torno de um tema central e que não só envolva empresas e empresários, mas ainda as escolas, o mundo académico e as artes. Nesta primeira edição o tema escolhido foi a internacionalização.

Em 2016 decorrerão outras iniciativas, tais como o concurso “Atos Empreendedores Solidários - X Ato”, dirigido a alunos do 12º ano. Pretende-se estimular os jovens estudantes a desenvolverem ideias que desafiem as empresas do concelho de Famalicão a praticarem atos para promoverem a melhoria e bem-estar da comunidade. Um júri avaliará as 10 melhores ideias, que posteriormente serão votadas pelos estudantes com vista a encontrarem a proposta vencedora.

Há ainda outra iniciativa programada, que é a edição de um livro, onde virão referenciados os casos de empresas nacionais e famalicenses que obtiveram sucesso no seu percurso e mereçam ser objeto de estudo em universidades e politécnicos do país e da região. Aqui o objetivo é transformar esta obra numa referência para o meio empresarial, divulgando-a no mercado académico da Gestão e fazendo-a chegar às principais livrarias.

As autoridades concelhias estão convencidas que o “Empresariato” é um contributo que ajuda a promover a genética empreendedora da autarquia e ao mesmo tempo a captar a vinda de novos investidores. Existe a convicção de que este projeto, sendo bem-sucedido, trará para Famalicão novos empresários e ajudará, desta forma, a potenciar empresas que já existem. Por outro lado, os famalicenses passarão a ter mais emprego e com mais qualidade. #Negócios #Educação #Autarquias