Depois de algumas horas desaparecida durante o passado dia 12 de março, a cadela Xái foi encontrada dentro de um poço com cerca de 12 metros de profundidade, a céu aberto, dentro de uma propriedade privada no lugar do Outeiro, vila de Ribeirão, concelho de Vila Nova de Famalicão. Foi resgatada com vida pelo seu dono, João Santos, e por um amigo, Celestino Carneiro, que ia a passar. Os dois não perderam tempo e conseguiram salvar o animal, que já estaria exausto de tanto lutar pela vida.

Foi uma ausência anormal. Quando Marco Santos reparou que a cadela Xái não se encontrava no local habitual, na residência dos avós, em Ribeirão, alertou o dono, João Santos, para a estranha ausência da cadela. Depois de algumas horas à procura, João Santos acabou por ouvir um choro vindo de um terreno vizinho, o que o alertou para a possibilidade de ser a sua cadela e de esta se encontrar em perigo. Perante o alerta, pediu ajuda a Celestino Carneiro, vizinho que ia a passar na rua, para tentarem perceber se a cadela estaria no terreno ao lado, o que acabou por se confirmar, estando Xái dentro de um poço, estranhamente a céu aberto, tapado apenas por alguns silvados e árvores, em terreno de uma propriedade privada que se encontra inabitada desde que o único proprietário faleceu.

Existia a possibilidade de a cadela já não ter mais forças para aguentar pela chegada de uma corporação de bombeiros, relatando João Santos que "a pobre Xái já estava a ir ao fundo algumas vezes, já se limitava a boiar na água dando a sensação que já tinha desistido". Os dois resolveram improvisar um resgate, com Celestino Carneiro a utilizar uma corda forte, dando um nó de marinheiro em volta do tronco de João Santos, descendo-o posteriormente para dentro do poço. A cadela estava a cerca de três metros de profundidade, à tona de água, enquanto o poço terá cerca de 12 metros no total.

O resgate acabou por tornar-se mais complicado, porque João Santos acabou por submergir na água até perto do pescoço, tornando-se um peso pesado para a força de Celestino. "Houve alguns momentos em que pensei que íamos cair os dois junto com a cadela", conta agora Celestino, por entre risos, mas com a seriedade do momento no olhar, e uma visível sensação de orgulho pelas forças não lhe terem faltado na hora certa.

Com o resgate feito, a pobre Xái não se aguentava de pé e estava com inícios de hipotermia, tendo levado um banho de água quente e recuperado aos poucos durante as horas que se seguiram. Levada a um veterinário, a cadela não apresentou grandes sequelas físicas do momento dramático que viveu, tirando algum inchaço nos olhos provocado pela água e pelo choro de aflição que viveu durante quatro horas, no fundo de um poço a céu aberto, numa vila com cerca de 10.000 habitantes do concelho de Vila Nova de Famalicão.

O poço encontra-se numa propriedade que está agora abandonada e que terá sido alvo de assalto há alguns meses, segundo os vizinhos. Esse mesmo assalto deu a oportunidade a Xái para aproveitar um buraco feito pelos assaltantes na vedação dessa propriedade, tendo depois caído ao poço que, segundo os vizinhos, estaria tapado com uma tampa de metal, mas que foi também roubada durante o assalto.

Perante a passividade dos herdeiros do antigo proprietário, que não se deslocaram ao local, os heróis do resgate resolveram improvisar uma forma de tapar o buraco na vedação, para que mais ninguém volte a passar para o terreno abandonado onde se mantém um poço destapado. Quanto a Xái, recuperou a alegria de passear nos campos e já as vizinhas se voltam a queixar do desaparecimento de chinelos um pouco por todo o lado. #Animais