Marisa tinha 37 anos, estava grávida de sete meses e foi uma das quatro vítimas do múltiplo homicídio que ocorreu na freguesia de São Veríssimo, em Barcelos, na manhã de hoje (24 de Março). Os homicídios terão sido executados por Adelino Briote, um homem de 62 anos, que é o principal suspeito. Terá usado uma faca para realizar os seus intentos e degolado sem piedade as suas quatro vítimas. Os corpos foram posteriormente encontrados em locais diferentes: três deles em duas casas diferentes e um na própria via pública, na Travessa de São Sebastião.

Publicidade

O homicida, além de ter causado a morte de um casal de 80 e 84 anos de idade, uma mulher de 60 anos e de Marisa, a mulher que estava grávida, acabou igualmente por provocar a morte do bebé que estava no ventre da mãe.

O suspeito já se entregou à Guarda Nacional Republicana (GNR) de Barcelos e já confessou ser o autor dos quatro crimes.

Publicidade

No entanto, recusou explicar às autoridades qual teria sido a motivação para os crimes que realizou. Mas tudo indica que terá sido pelo facto de as vítimas não terem testemunhado a seu favor num processo de #Violência doméstica.

A arma do #Crime ainda não terá sido encontrada, mas terá sido arremessada pelo homicida para o telhado de uma casa próxima. A Polícia Judiciária (PJ) já está no terreno a procurar pistas e vestígios que lhes permitam apurar todos os factos e responsabilidades destes sangrentos homicídios.

O suspeito estaria actualmente a cumprir uma pena suspensa de três anos, após ter sido condenado por violência doméstica contra a ex-mulher e a própria sogra.

Publicidade

Teve um divórcio por processo litigioso em 2012. Terá estado ainda um mês internado na ala psiquiátrica do Hospital de Braga no ano passado (2016). Segundo a edição online do Correio da Manhã, o alegado homicida andaria perturbado desde o momento que a mulher terá saído de casa e emigrado.

Entretanto, aguarda agora nas instalações da PJ a ida ao juíz para lhe serem aplicadas as respectivas medidas de coacção, que, tendo em conta o seu passado, poderá ser a prisão preventiva até ao julgamento. #Polícia