Um homem de 62 anos é suspeito de ter assassinado quatro pessoas, entre elas uma mulher grávida. O múltiplo homicídio ocorreu na manhã desta sexta-feira, 24 de Março, numa freguesia do concelho de Barcelos, no distrito de Braga. As vítimas são um casal de 84 e 80 anos, uma mulher com 58 e uma outra com 37, mãe de uma filha de 7 anos e grávida de um segundo filho. O suspeito entregou-se aos militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) e já tem cadastro relacionado com actos de violência sobre familiares.

Tudo leva a crer que na origem daquele massacre estará o facto de as vítimas terem recusado ser testemunhas abonatórias do suspeito, António Briote, de 62 anos, num processo de violência doméstica.

Publicidade
Publicidade

Um processo que o chegou a pôr em prisão preventiva e estaria, actualmente, vigiado com pulseira electrónica. O alerta foi dado poucos minutos antes das 11 horas, desta sexta-feira, 24 de Março, para a freguesia de Tamel São Veríssimo, no concelho de Barcelos. António Briote terá usado uma arma branca para esfaquear as vítimas, atingindo-as no pescoço. Depois pediu a um amigo para chamar um militar da GNR, a quem se terá entregado, confessando os crimes.

António Briote terá matado António Vale, com 84 anos e Maria Glória, com 80, na residência do casal. Bem como uma outra mulher, com 58 anos, e que vivia sozinha. As três vítimas eram vizinhas do próprio suspeito. Mais tarde, as autoridades encontraram, numa outra habitação, o cadáver de uma quarta vítima, Marisa Rodrigues, com 37 anos e que estaria grávida de cerca de sete meses, sendo mãe de uma filha de sete anos.

Publicidade

Os militares da Guarda Nacional Republicana detiveram o suspeito confesso, tendo encaminhado a investigação para os inspectores da #Polícia Judiciária, que fez deslocar para o local os meios para recolherem as provas e testemunhos que possam esclarecer as circunstâncias e as motivações daquele múltiplo #Crime.

Aquele massacre deixou em estado de choque a população da pacata localidade, apesar de os moradores considerarem o suspeito como sendo uma pessoa com características agressivas. Uma situação confirmada pelo presidente da Junta de Freguesia de Tamel São Veríssimo. João Abreu disse aos jornalistas que António Briote ficou “bastante afectado” perante o divórcio, e era arguido num processo de violência doméstica contra a ex-mulher e a ex-sogra. O autarca adianta que o homem já tinha tornado público que se iria vingar das pessoas que testemunharam contra si, o que acabou por concretizar agora, ao esfaquear as quatro vítimas.