A nave cargueiro russa que está fora de controlo vai despenhar-se na Terra até sexta-feira. O local exacto da queda não pode ser determinado com precisão, pelo menos até 24 horas antes da mesma. Contudo, o comando de Defesa Aeroespacial dos EUA prevê que o local de queda seja em pleno oceano Pacífico. De acordo com a agência de notícias Ria Novosti, os fragmentos eventualmente mais perigosos vão desintegrar-se na atmosfera antes de cair no planeta.

O cargueiro espacial Progress avariou na última semana, e desde o início a sua queda foi prevista para os dias 5 a 7 de Maio. As autoridades sempre asseguraram que não havia qualquer perigo para a vida na Terra, com a desintegração de grande parte da nave ainda na atmosfera. O veículo espacial tem 35 anos de utilização e só em 2011 teve um acidente antes deste, que ditará o seu final de vida.

O controlo da nave foi perdido quando esta adoptou uma órbitra errada e não accionou todas as antenas, o que impediu o envio de dados para a Terra. Esta era controlada a partir do Centro de Controlo de Voos Espaciais da Rússia, que tentou recuperar os comandos, até agora sem sucesso. Seguiam a bordo mantimentos, equipamento, combustível e oxigénio para a Estação Espacial Internacional, o que vai obrigar os tripulantes da plataforma a um cuidado redobrado com a gestão dos recursos que já têm disponíveis, dado que o próximo cargueiro (Dragon, dos EUA) só irá sair para a estação na segunda metade de Junho.

Vida a 400 quilómetros da Terra

A missão do cargueiro Progress era, como já foi escrito, levar alguns bens aos astronautas na Estação Espacial Internacional - a ISS. No projecto participam 16 países, havendo tripulantes a bordo desde Novembro de 2000. Actualmente estão a bordo três cosmonautas russos, uma astronauta italiana e dois astronautas norte-americanos.

A distância para a Terra varia entre 335 e 460 quilómetros, orbitando o nosso planeta à velocidade impressionante de 27.000 km/h, o que permite à ISS, com mais de 400 toneladas de peso, dar mais de 15 voltas diárias à Terra. #Espaço