Um investigador português, Caetano Reis e Sousa, conduziu recentemente um estudo que permitiu a descoberta de uma nova forma de tratamento a pacientes com problemas cancerígenos. De acordo com o estudo em causa, caso um paciente ingira aspirinas enquanto está sujeito a sessões de imunoterapia, a cura da doença poderá ser mais eficaz. Esta observação resulta de um conjunto de observações de resultados de vários ensaios clínicos de imunoterapia. De acordo com o Observador, o estudo expõe ainda que existe um controlo imunológico do cancro que, em várias ocasiões, acaba por ser bloqueado por essa mesma patologia.

De modo a conseguir uma outra explicação para esse bloqueio, o grupo de investigadores, oriundo do Instituto Francis Crick, resolveu recorrer a células do sistema imunitário para criar novas culturas de células tumorais. Este novo conjunto de células tem a sua importância a espoletar uma resposta da parte das células T, cuja ação resulta, normalmente, na destruição do tumor em questão.

Caetano Reis e Sousa salientou ainda uma descoberta relativa às células tumorais: estas costumam segregar um límpido denominado prostaglandina E2 (ou PGE2), o que leva à inibição das células imunitárias. A solução para um controlo imunológico passa por inibir a produção desse mesmo límpido, quer por meios genéticos ou farmacológicos. É aí que entra em ação a aspirina, cujas características permitem o bloqueio de PGE2, conforme declarou o investigador lusitano.

De acordo com o Observador, Caetano acredita que o estudo em questão permitirá aumentar a potência deste medicamento que poderá ajudar a melhorar e a atenuar determinados efeitos secundários. Durante os próximos tempos, a intenção da parte da equipa de investigação será a de fazer ensaios clínicos com pacientes humanos, cujos resultados permitam confirmar, na prática, a eficácia da aspirina. Até surgirem esses resultados os investigadores desaconselham qualquer paciente com #Cancro a experimentar esse método sem recorrer primeiro a aconselhamento prévio por parte de um médico. #Inovação