Dois vulcões em lados opostos do mundo entraram em erupção praticamente ao mesmo tempo. Na segunda-feira, dia 30 de Novembro, o vulcão Momotombo, na Nicarágua, acordou ao fim de 110 anos de pausa. A última erupção foi em 1905 e desde então não voltou a explodir, embora fossem registados alguns tremores sísmicos que indicavam que podia acordar a qualquer instante.

Este vulcão tem cerca de 1297 metros de altura e situa-se próximo da cidade de León. É caracterizado pela sua grande erupção em 1610 que obrigou os habitantes da cidade a refugiarem-se noutro local. A cidade ficou em ruínas e agora chamam-lhe León Viejo (León Velha). O sistema hidrotérmico do Momotombo começou a aquecer desde 2007, o que indiciava que o magma se movimentava no seu interior, portanto já se contava que poderia entrar em erupção. Por segurança foram encerradas escolas da região, contudo, não houve perigo e o volume de cinzas não justificou grandes precauções.

A par do Vulcão de Momotombo, o Vulcão Etna é o vulcão ativo mais alto do mundo. Fica situado na ilha da Sicília, em Itália, no monte Etna, e tem 3329 metros. Segundo o Observador, há dois anos que o vulcão Etna não entrava em erupção e está a provocar verdadeiros espetáculos de trovões e nuvens de cinza. 

Na passada quinta-feira, dia 3 de Dezembro, o vulcão Etna entrou novamente em erupção durante 50 minutos. A cratera Voragine lançou lava a mais de um quilómetro de altura e uma vasta nuvem de cinzas que atingiu mais de três quilómetros de altura.

O vulcão é um ponto da superfície terrestre por onde o material fundido a que chamamos magma e que é gerado no interior da Terra é expelido para o exterior. À ciência que estuda os vulcões chamamos vulcanologia. Os vulcões tornam-se assim uma manifestação à superfície do que acontece no interior do planeta Terra. À medida que nos aproximamos do centro do planeta a temperatura vai aumentando, chegando a atingir os 5000°C no seu núcleo. Os vulcões podem variar quanto à sua atividade. Temos alguns em atividade constante e outros adormecidos durante anos a fio e que não sabemos quando voltam a acordar. #Natureza