Itália, assim como outros países, está a ser empurrada e puxada por todos os lados. Nos últimos 2500 anos o pais já foi abalado por mais de 30000 sismos com magnitudes médias a altas. Só no século XX foi possivel observar inúmeros sismos com uma magnitude acima de 5.8 na escala de Richter, dos quais se pode destacar o sismo ocorrido nesta ultima quarta-feira. Sismo este que já vitimou mortalmente mais de 278 pessoas.

Se recuarmos até ao ano de 2000, podemos relatar vários sismos em Itália:

  • Em Outubro de 2002, mais precisamente no dia 31, um sismo de magnitude  de 5.9 na escala de Richter atingiu a região de Molise e Apulia. Cerca de 28 pessoas morreram, das quais a maioria eram crianças.
  • A 6 de Abril de 2009, um sismo de magnitude de 5.8 atingiu a região de Abruzzo; morreram cerca de 300 pessoas e mais de 1500 ficaram feridas.
  • A 20 e 29 de Maio de 2012 outros 2 sismos atingiram a Itália, mais precisamente na região de Emilia-Romagna. No dia 20 de Maio a magnitude registada foi de 6.1 e no dia 29 foi de 5.8. Mataram mais de 20 pessoas  e mais de 5 mil perderam as suas casas devido aos estragos provocados.

Esta recorrência na quantidade de sismos poderá ser explicada com auxilio da dinâmica geológica nesta zona do mundo.

Há milhões de anos existia apenas um super continente, a Pangeia. Quando este se começou a fragmentar, surgiu um grande mar "raso", que é conhecido pelo nome de Mar de Tétis. Este mar separava assim dois super-continentes: a "Laurasia" a Norte e a "Gondwana" a sul.

Actualmente a zona a que corresponde ao mar Tétis é o Mar Mediterrâneo.

Há cerca de 150 milhões de anos, este mar começou a fechar-se. É importante neste ponto ter presente que os fenómenos geológicos são extremamente lentos. Podemos tomar o exemplo da abertura do Oceano Atlântico, que se encontra a expandir-se a uma taxa de alguns centímetros por ano; poderá ir de 2 cm a 5 cm, consoante nos encontramos no Atlântico Norte ou no Atlântico Sul.

Há mais de 150 milhões de anos observava-se a Índia e a África a moverem-se para Norte e a fecharem o mar de Tétis. Sempre que um oceano se fecha, uma cadeia de montanhas é originada. Assim, com este "fecho", os dois continentes chocaram e foi criada uma sutura. Isto é, na zona de sutura é possível observar-se uma grande cadeia de montanhas alinhadas, a que atualmente chamamos de Alpes, Apeninos, montanhas de Zagros e Himalaias.

Os Apeninos estendem-se por cerca de 1200 Km na Itália: "Estes desenvolveram-se de forma paralela à zona de subducção do Adriático", explica o Geólogo Rui Dias, da Universidade de Évora e do Instituto de Ciências da Terra, em declarações ao jornal Público. 

Nestas zonas de colisão entre placas é usual observar-se vulcões e sismos. E a Itália é assim propensa a estes fenómenos. Como exemplo podemos citar o Vesúvio e a cidade de Pompeia. #Ambiente #Catástrofes Naturais