Na freguesia de Arazede, no distrito de Coimbra, ocorreu ao final da noite de ontem, 26 de Maio, um #Crime horrível. Um homem matou a família, pais e avó, com tiros de caçadeira. Ao que tudo indica, o homicida ter-se-á suicidado de seguida. A operação policial estendeu-se durante toda a madrugada.

O crime terá ocorrido por volta das 21 horas, pouco depois de Paulo da Cruz, o alegado homicida de 41 anos, ter deixado na sua página pessoal de Facebook uma mensagem em jeito de despedida, em que acusa uma central sindical luxemburguesa, a OGBL, acusando-os de o terem envergonhado e deixado sem apoio. Acrescenta ainda que não aguentava mais, o que provavelmente terá levado a este desfecho terrível.

Paulo da Cruz terá regressado há pouco tempo a Portugal, há cerca de três meses, depois de uma temporada emigrado no Luxemburgo, local onde trabalhou como motorista, até ser dispensado.

Ao que tudo indica, os factores que estiveram na origem desta #Tragédia terão a ver com uma discussão que a família teve durante o jantar. Na altura, estariam acompanhados por outros familiares quando começou a discussão. O suspeito do triplo homicídio terá obrigado os convidados a saírem de casa.

O homem de 41 anos, com problemas de depressão, matou os pais, de 70 e 64 anos, bem como a avó, que tinha 91.

Segundo apurou o Jornal de Notícias, “foram ouvidos pelo menos seis tiros de caçadeira. Terá sido por esta altura que o suspeito, Paulo da Cruz, de 41 anos, divulgou uma mensagem no seu perfil do Facebook em tom de despedida”.

As forças de segurança foram chamadas ao local e realizaram durante toda a madrugada uma tentativa de localizar o homicida dentro da habitação; contudo durante a operação, que decorreu até altas horas da madrugada, nunca o conseguiram ver.

De acordo com o Correio da Manhã, “os primeiros corpos começaram a ser retirados pelos bombeiros às 06h34 da manhã. Cerca das 07h30 as ambulâncias saíram do local já com os quatro corpos, que foram transportados para o hospital onde serão realizadas as autópsias”.

Os pais do homicida são também emigrantes, que regressaram ao país de origem há poucos anos, depois de se terem reformado.

Por agora, os elementos locais da #Polícia Judiciária estão no interior da habitação a recolher provas.