O popular cantor português, Marco Paulo, plantou na tarde deste sábado, 3 de Dezembro, uma árvore em plena Mata Nacional do Buçaco. O artista inscreveu o seu nome na lista das várias figuras públicas que já participaram no projecto de reflorestação daquela mata, na freguesia do Luso, concelho da Mealhada. Marco Paulo disse querer acompanhar a evolução de crescimento do “seu” cedro, e garantiu que ia mandar os seus fãs regar aquela “relíquia”.

Depois de Pedro Abrunhosa, Marisa Liz (Amor Electro), Assunção Cristas, Maria de Belém, José Cid e Rui Reininho, foi a vez de Marco Paulo aceitar o desafio lançado pela Fundação Mata do Buçaco para plantar uma árvore naquela mata, candidata à classificação de Património Mundial da UNESCO.

Publicidade
Publicidade

O cantor plantou um Cedro do Bussaco (Cupressus Lusitanica) e disse sair dali de “coração cheio e maravilhado” com a oportunidade que lhe foi concedida. “Só me falta mesmo fazer um filho, mas nunca é tarde”, brincou o artista que está a comemorar 50 anos de carreira.

Orgulhoso por ter deixado “uma marca” naquela “floresta maravilhosa” da região Centro de Portugal, o protagonista do “Eu tenho dois amores” realçou, ainda, o facto de estar, daquela forma, a “ajudar a preservar a natureza, a dar força ao meio #Ambiente”.

O projecto de reflorestação que a Fundação Mata do Buçaco tem vindo a promover naquela mata, às portas de Coimbra, tem contado com a participação de diversas figuras públicas portuguesas, mas também com uma equipa de futebol dos Emirados Árabes Unidos e um grupo de investigadores chineses.

Publicidade

Todos eles plantaram árvores naquela mata nacional.

Ocupando cerca de 105 hectares, a Mata do Buçaco é considerada uma das matas nacionais mais ricas em património natural, arquitectónico e cultural. Dispõe de cerca de 250 espécies de árvores e arbustos, alguns dos exemplares considerados notáveis. Por outro lado, e para além de outras atracções de visita, ali se encontra erigido o Convento de Santa Cruz do Buçaco, com a sua história iniciada em 1628, na sequência da doação do então Bispo de Coimbra, D. João Manuel, da província da Mata do Buçaco aos Carmelitas Descalços para a construção do seu convento e retiro religioso. #Causas