A Suécia é uma espécie de meca do rock progressivo escandinavo. Apesar dos países nórdicos sempre terem possuído uma boa quantidade de bandas dentro do género, a verdadeira resposta às primeira e segunda vagas do rock progressivo britânico chegou do país situado entre a Noruega e a Finlândia, com bandas como os Kaipa (nos anos 70), os The Flower Kings (nos anos 90) e, mais recentemente, com a viragem para o estilo dos metálicos Opeth. Existe, no entanto, um outro projeto que ameaça tomar de assalto o trono do Reino da Suécia no que ao rock progressivo diz respeito: os Beardfish. Ativo desde 2001 (o seu primeiro disco saiu em 2003), o quarteto tem até agora sete discos editados em que a abordagem mais clássica de bandas como os Genesis e os Yes é misturada de forma soberba com o neo-prog rock de bandas como The Flower Kings, Spock's Beard ou Arena.

Publicidade
Publicidade

'+4626-COMFORTZONE' é o nome da oitava proposta de estúdio dos Beardfish e, como já é imagem de marca do projeto, mantendo intacta a personalidade musical da banda, apresenta ao mesmo tempo algumas surpresas. A começar logo pela sonoridade que, por via de uma mistura feita pelo guitarrista Zackrinsson (até agora todos os discos tinham sido misturados pelo vocalista e teclista Rickard Sjöblom), surge mais atmosférica e com pormenores mais destacados. Depois, em termos meramente artísticos, os suecos retornam a um conjunto de canções mais melódico e harmónico após uma abordagem mais imediata e pesada nos dois últimos discos. O lado mais cru e distorcido da sonoridade do projeto está todo concentrado na faixa «Daughter/Whore», em que os Beardfish aproveitam para dar largas também a uma composição mais dramática. O resto são faixas de arranjos e harmonias sublimes que misturam o melhor do rock progressivo das últimas quatro décadas com bom gosto, elegância e um apreciável sentido de dinâmica. Nas letras, um fio condutor sobre a zona de conforto interior que todos temos e que fomos ensinados a procurar e a adaptarmo-nos a ela - e de como isso é errado.

O que torna, então, o novo disco dos Beardfish uma peça essencial do rock progressivo dos anos 10? A capacidade do quarteto para resumir de forma luxuosamente sofisticada, e em canções que aliam melodias fortes e pormenores técnicos, o melhor que o lado mais aventureiro e honesto do rock tem e teve.

Publicidade

'+4626-COMFORTZONE' é uma montanha-russa de emoções, arranjos e ambientes, perfeito para quem procura descobrir novas sonoridades e para quem achava que a genialidade rock se tinha esgotado no lado "clássico" de bandas como os Yes ou os Genesis. E que urge descobrir. #Música