Como sempre sucede com eventos que abalam o mundo, a Primeira Guerra Mundial foi tão grandiosa quanto confusa e deprimente. Em pouco mais de quatro anos os acontecimentos sucederam-se de tal maneira que se torna complicado conseguir ter uma noção real da sua sequência e importância, independentemente do quanto definem o mundo em que vivemos agora. Para reavivar o interesse e apresentar esta informação de um modo realista e simples de compreender, é sempre necessário um grande contador de histórias, com um conhecimento profundo da época e uma linguagem acessível a todos. E é aqui que entra Dan Carlin, jornalista americano e historiador amador, que criou em 2006 a premiada série de podcasts Hardcore History.

Publicidade
Publicidade

Esta semana foi colocado online o mais recente episódio desta série, parte de um ciclo dedicado à Primeira Guerra Mundial e, mais uma vez, Carlin demonstra porque é um dos grandes nomes da divulgação histórica a nível mundial.

Pessoalmente, tenho uma certa paixão pelo chamado podcasting. Esta forma de #Entretenimento online é apresentada como aqueles grandes programas de rádio em que anfitriões carismáticos falam de temas de interesse para a sua audiência. Não há imagem, apenas som, mas acreditem quando digo que as pessoas certas fazem este género funcionar. Como sempre sucede nestes casos, a questão a ter em conta é a de encontrar as pessoas e os temas certos para nós. Para mim Dan Carlin foi uma dessas impressionantes descobertas.

O seu programa bissemanal Common Sense é considerado um dos melhores programas de comentário político no ciberespaço e aborda temas contemporâneos sob uma perspetiva cínica, com visão histórica, e usualmente imparcial.

Publicidade

Para quem quer compreender o mundo em que vivemos hoje, este é um programa essencial.

No entanto foi Hardcore History que o colocou nas bocas do mundo. Um podcast com ênfase na divulgação histórica, este programa foca-se nos eventos mais negros e violentos da #História, tendo, inclusive, começado com um surpreendente episódio que comparava Alexandre o Grande com Adolf Hitler. Com o aproximar do centenário do início da Primeira Guerra Mundial, que se deu este ano que passou, Carlin resolveu focar-se num arco de vários episódios sobre esse mesmo tema, com a grande ambição de explicar toda a guerra do início ao fim. Uma ambição certamente esmagadora, e o próprio autor admite ver-se constante intimidado pela mesma. No entanto, este arco, intitulado Blueprint for Armageddon, estará agora entre as mais completas peças alguma vez feitas sobre a guerra que mudou o mundo.

Os eventos estão lá, os detalhes fazem os personagens e as situações ganharem vida, e a sequência dá um sentido a tudo como eu nunca vi num programa sobre esta guerra.

Publicidade

Nem em livros dedicados ao tema eu consegui uma explicação melhor estruturada do que esta. Inclusive, o poder emocional está lá. Há momentos que me levaram às lágrimas. O mais recente episódio, o quinto numa já longa série, não é exceção, e assim que o pus a correr não consegui parar, mesmo tendo em conta as 4 horas que cada episódio dura. Pura e simplesmente, Hardcore History - Blueprint for Armageddon é essencial para qualquer curioso por história. A série está disponível no site do autor e no Youtube, e vale cada segundo a ela dispensado.