No total, são 16 as recomendações efetuadas por 13 estados membros da União Europeia, onde se insere Portugal. A "última palavra" será dada pela Comissão Europeia, em Março de 2015. Esta iniciativa pretende valorizar locais ou sítios, que, tiveram influência na #História e cultura europeias e/ou criação da própria organização europeia. A Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra e a Carta da Abolição da Pena de Morte em Portugal, foram propostas através de um grupo de especialistas para selo do Património Europeu 2014.

Fundada há 500 anos, a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, foi, de acordo com os peritos, uma das primeiras bibliotecas europeias a conceder o livre acesso ao seu património e a geri-lo por temáticas em catálogos para pesquisa. Também importante, foi a disponibilização de livros censurados durante a ditadura portuguesa.

Quanto à Carta da Abolição da Pena de Morte em Portugal, esta apresenta um conjunto de valências pioneiras em todo o mundo. A ratificação do documento, foi efetuada pelo rei D. Luís, em 1867, o que constitui um valor humano raro de se ver num monarca naquele tempo. Neste mesmo documento, é decretada a introdução da "prisão celular perpétua" e a abolição da pena de morte. Naquela altura, Vítor Hugo, o célebre escritor francês, conhecido por êxitos literários, como o "Le Miseráble", escreveu uma carta felicitando Portugal como um país pioneiro na adopção dessa medida.

A nível nacional, é efectuada uma pré-seleção. Cada país pode submeter 4 candidaturas. Portugal efetuou 3. Porém, apenas duas foram aprovadas. Por desobedecer aos critérios designados no protocolo que estabeleceu o Selo do Património Europeu, o Convento de Jesus, em Setúbal, local da assinatura do Tratado de Tordesilhas, foi reprovado.

Entre os sítios patrimoniais aconselhados para Selo do Património Europeu 2014 constam por exemplo: o estaleiro naval de Gdansk, ou o centro histórico de Atenas, local onde decorreram os protestos que permitiram o fim do domínio comunista na Polónia no início da década de 1980.

Publicidade
Publicidade