Slim Bone Head Volt não é excêntrico apenas no nome, já que consiste de uma série de experiências sonoras levadas a cabo por Dana Lyn com textos recitados por Vincent D'Onofrio em registo spoken word. Musicalmente, Slim Bone Head Volt é do mais esquizofrénico que há. O primeiro tema disponibilizado, "I'm A Hamster", pega numa intrincada melodia de violino tocada por Dana e acrescenta-lhe um forte sabor a jazz com uma banda inteira por trás a fazer crescer a intensidade, enquanto D'Onofrio debita o seu spoken word anti-melódico, descrevendo a vida de um hamster, o que faz com que a faixa seja totalmente bizarra, mas simultaneamente hipnótica.

O segundo tema que foi conhecido, "Blanche", provoca um estado de espírito totalmente diferente, mais contemplativo e intimista, mas igualmente eficaz no seu efeito hipnótico. Enquanto a melodia encantadora por parte de Dana cria uma atmosfera solene, a recitação de D'Onofrio é uma tocante revelação (não sabendo se tem algum fundo de verdade ou não) sobre nunca ter tido a oportunidade de desempenhar o papel de Blanche DuBois (da imortal peça "Um Eléctrico Chamado Desejo") e usando tal como analogia em relação a todas as frustrações e incertezas acumuladas em mais de trinta anos de carreira. Tendo em consideração o tipo de papéis desempenhados por Vincent, esta peça de spoken word assenta-lhe como uma luva.

A ideia para o projecto surgiu nos ensaios para uma peça da Broadway onde o duo participava. Vincent D'Onofrio chamou a atenção de Dana Lyn através de uma série de textos onde o actor revelava os seus pensamentos mais íntimos. Lyn ficou fascinada, de tal forma que pensou imediatamente em lhes acrescentar #Música, a sua música original, e incitou Vincent a partilhar com ela mais dos seus textos. Quanto ao nome do projecto, Lyn refere que são quatro palavras que não fazem qualquer sentido juntas, mas que soam bem, um pouco com o mesmo intuito do projecto e da arte em geral, em que há uma série de elementos que são juntos e sobrepostos de forma estranha, quase ao acaso e de forma incongruente. Acrescenta ainda que é exactamente um anagrama para a ideia contrária.

Com uma forte componente teatral, a música divide-se entre aquela que é composta como banda sonora para as palavras de D'Onofrio e aquela que foi completamente improvisada quando os momentos de spoken word foram recitados, com a música a surgir instintivamente por parte de Lyn e dos seus músicos. O resultado das gravações foi um total de 27 de músicas, 14 presentes no álbum que vai ser lançado e mais 13 que ficaram de fora, num total de duas sessões de cinco horas cada, com um máximo de três takes por cada música.

O álbum estará disponível a 3 de Março pela Buddhabug Records. #Cinema