Adolfo Luxúria Cabral, vocalista dos Mão Morta e o ator José Eduardo Silva são os protagonistas da peça "Eis o Homem". Com estreia marcada para 8 de janeiro no palco do Teatro Carlos Alberto, no Porto, a peça da autora Marta Freitas tenta responder à pergunta "quem somos nós", elaborada pela humanidade.

"Eis o Homem" são as palavras proferidas por Pilatos ao entregar Jesus Cristo a uma multidão a tresandar de loucura. São três palavras também presentes no testamento filosófico de Nietzsche, redigido com urgência para responder à pergunta "quem eu sou" ao pressentir a loucura e a morte. De acordo com o comunicado de imprensa, a peça parte deste tipo de urgência para tentar saber quem é a humanidade, cada vez mais envolta numa aura de autodestruição e de ausência de afeto.

O Homem, pelas palavras de Marta Freitas, é entregue ao público a partir de 8 de janeiro. E, ao contrário de Pilatos, a autora e José Eduardo Silva, também responsável pela conceção, dramaturgia e encenação do espetáculo, para além da interpretação, desejam combater a indiferença, considerada como uma doença dos tempos sombrios vividos pela atual geração.

Marta Freitas colocou em cena, também no palco do Teatro Carlos Alberto, a peça "Diz-lhes que não falarei nem que me matem" em 2012 que incidiu, de acordo com o comunicado oficial, em temas referentes à reclusão e tortura "para sondar os caminhos que escolhemos para a realização da nossa liberdade individual e coletiva".

Afonso Luxúria Cabral é um dos protagonistas de "Eis o Homem" e, apesar de ser reconhecido pelo trabalho com a banda Mão Morta, não é a primeira vez que mostra os seus dotes como ator. Começou em 1996 no filme "Gel Fatal", de António Ferreira, e participou em 15 filmes, sendo o seu trabalho mais recente a narração de "Um Documentário Bestial", um documentário sobre touradas, da autoria de Nuno Costa. Lançou o mais recente disco de originais com os Mão Morta, "Pelo Meu Relógio São Horas de Matar", no ano passado.

"Eis o Homem" está em cena de 8 a 17 de janeiro. A peça está em cena no Teatro Carlos Alberto, no Porto, na quarta-feira às 19h, às 21h de quinta-feira a sábado e aos domingos às 16h. O preço do bilhete é de 10 euros. #Entretenimento