Teve início em Maio de 2014 um projeto interassociações de teatro denominado TAS - Teatro das Associações, realizado por três CERCIS (CERCIAMA, CERCILISBOA e CERCIOEIRAS) juntamente com a Academia de Santo Amaro. Esta iniciativa, financiada pelo INR (Instituto Nacional de Reabilitação), tem como objectivo a realização de uma produção teatral baseada nos contos de José Gomes Ferreira "As aventuras de João sem medo". Este trabalho, com encenação de Luís Rodrigues, contou com a participação de actores com deficiência mental provenientes das CERCIS, com actores do Teatro Infantil da Academia de Santo Amaro e com a participação especial de uma actriz convidada.

Foram realizados vários espectáculos em Lisboa. A estreia deu-se na Academia de Santo Amaro no dia 3 de Julho. O trabalho foi depois apresentado no Centro Cultural de Carnide, no Bairro Padre Cruz, a 21 de Novembro. Estão também previstas apresentações em Lisboa e Amadora.

O processo

Este trabalho teve a participação de actores com deficiência e sem deficiência que, num tempo recorde de cerca de dois meses, construíram este espetáculo. Dado o número de actores e instituições envolvidas, o processo de construção e os ensaios foram realizados em grupos de trabalho individuais, que construíam e ensaiavam a sua participação no peça, juntando-se todo o grupo cerca de uma vez a cada quinze dias.

O resultado foi extraordinário. A dinâmica criada foi excelente, criando-se uma real empatia entre todos os intervenientes. A assimilação do conteúdo dos textos foi extremamente rápida e tudo isto foi conseguido com o empenho dos técnicos envolvidos e graças a todo o trabalho de apoio institucional.

O futuro do projecto

Os contos "Aventuras de João sem medo", apesar de terem sido escritos há vários anos, estão perfeitamente actuais na nossa realidade social, já que fazem uma caracterização irónica do nosso dia-a-dia, mas com uma carga dramática extremamente intensa. Falam-nos de coragem e criatividade, caracterizam comportamentos e modos de estar e ridicularizam situações quotidianas de forma extremamente simples e directa.

Segundo os responsáveis, pretende-se a continuação deste projecto em 2015, estendendo-o a vários públicos e aumentando o seu alcance, com iniciativas paralelas à apresentação da peça, como a realização de ateliers para escolas, população sénior e comunidades locais e abrindo um espaço em cada apresentação para a participação do público envolvido. A ideia é desenvolver um trabalho que divulgue o teatro que é feito por pessoas com deficiência e que seja também um trabalho de intervenção comunitária. #Educação