A cerimónia da entrega dos prémios BAFTA realizou-se ontem, dia 8 de fevereiro, no Royal Opera House, em Londres. Aquela que é uma das maiores premiações do cinema (nunca esquecendo os Oscars) decidiu entregar a "Boyhood" o prémio de melhor filme. "Boyhood: Momentos de uma vida", em português, foi filmado ao longo de 12 anos e segue a história de um casal divorciado que tenta educar o seu filho. O filme, que foi um dos mais longos a ser gravado na história do #Cinema, valeu a Richard Linklater o BAFTA de melhor realizador. O terceiro BAFTA arrecadado por este filme foi para Patricia Arquette, a melhor atriz feminina para a academia britânica.

No entanto foi "Grand Budapest Hotel" o grande vencedor da noite. Das 11 nomeações, ganhou 5 prémios: o de melhor argumento original, banda sonora, maquilhagem e penteados, guarda roupa e design de produção. O filme sobre o físico Stephen Hawking, "A Teoria de Tudo", ganhou o BAFTA de melhor filme britânico, de melhor ator, para Eddie Redmayne, e de melhor argumento adaptado. Stephen Hawking acabou mesmo por subir ao palco para entregar o prémio de melhores efeitos especiais ao filme "Interstellar".

A interpretação de J.K. Simmons, em "Whiplash - Nos Limites", valeu-lhe o BAFTA de melhor ator secundário. O prémio de melhor atriz foi para Julianne Moore pela sua interpretação em "O meu nome é Alice". O filme, que estreou esta semana em Portugal, retrata a história de uma mulher que sofre de Alzheimer. Já o BAFTA para melhor filme de animação foi para "O Filme Lego". A película polaca "Ida", de Pawel Pawlowsky, ganhou o BAFTA de melhor filme não falado em língua inglesa. O maior derrotado da noite foi "Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)" que, das 10 nomeações, apenas ganhou o BAFTA de melhor fotografia.

Os prémios BAFTA foram entregues, pela 68ª vez, pela "Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão". Se servirem de previsão para os Oscars, pode antever-se que Birdman pode, também, ser o grande derrotado da noite de entrega dos maiores prémios do cinema.