2014 foi um grande ano para a #Música pesada e 2015 promete igualar ou até mesmo superar no que diz respeito à qualidade dos lançamentos. Esta é uma pequena lista dos melhores álbuns que me foram dados a conhecer neste primeiro mês, alguns deles exibindo-se como fortes candidatos a discos do ano. Sem mais delongas, vamos então apresentar-vos os melhores álbuns de originais e/ou reedições que merecem ser destacados futuramente.

Jorn Lande & Trond Holter Present Dracula - Swing Of Death - Uma ópera-rock sobre Drácula que reúne Trond Holter, guitarrista dos Wig Ham, que aqui tem um papel surpreendente no resultado final, com Jorn Lande, num álbum de heavy metal viciante do início ao fim.

Renegade - Thunder Knows No Mercy - Heavy metal tradicional, do melhor que há, vindo da Itália, como há muito não se ouvia.

Abstracter - Wound Empire - Feedback, noise, distorção, escuridão durante quarenta minutos, num trabalho que tem que ser apreciado como um todo, tal como todos os excelentes álbuns. Uma banda a ser tomada em conta.

Blind Petition - Law & Order - Banda austríaca clássica que apesar de não ser muito activa em termos de lançamentos discográficos, surge com um trabalho de hard rock clássico e alta qualidade que impressiona pela sua dinâmica.

If These Trees Could Talk - Red Forest - Reedição pela Metal Blade do segundo álbum deste grupo norte-americano de pós-rock, editado originalmente em 2012 e que merece ser disponibilizado para uma audiência mais alargada, já que junta a toda melancolia já esperada pelo género, um sentido de peso conseguido pelos três guitarristas que fazem parte da banda.

Thurizas - Live And Acoustic - Não é nada usual que uma banda de black metal (ainda que melódico) lance um álbum acústico, mas foi mesmo isso que aconteceu com esta banda belga numa colecção de músicas próprias e versões que devem ser apreciadas como belas obras de arte.

6:33 - Deadly Scenes - O nome é estranho mas condiz com a música, que é uma espécie de mistura entre banda sonora de filme de Tim Burton com Devin Townsend. Para quem gosta destes dois universos, é uma viagem deliciosa do início ao fim.

Visigoth - The Revenant King - Sem dúvida, um dos grandes destaques do mês e um álbum que figurará em muitas listas de melhor do ano. Heavy metal do mais clássico e épico que pode haver e é apenas a estreia deste grupo norte-americano.

Manilla Road - Out Of The Abyss - Álbum clássico da banda de heavy metal épico, reeditado para aqueles que não o conheciam. Por ser considerado o álbum thrash da sua carreira, é um marco que justifica por si só a reedição.

Orghanon - Figures In Slow Motion - Música experimental fruto da mente de Sergio Calzoni, que embora não sendo metal, consegue reunir as condições necessárias para ser apreciado como tal.

Saor - Roots - Reedição da estreia deste projecto que já é um clássico imortal da música épica.

Dantalion - Where Fear Is Born - Da Galiza chega-nos um excelente trabalho de death/doom melódico como se fazia nos bons tempos em que o estilo era rei.

Idol Of Fear - All Sights Affixed, Ablaze - Na estreia, esta banda canadiana mistura o extremismo do metal com nuances progressivas e com um certo espírito avant-garde, resultando num álbum surpreendentemente viciante.

Syn Ze Şase Tri - Stăpîn Peste Stăpîni - Black metal melódico da Transilvânia, pesado, épico, num trabalho completo que fará com que todos os fãs de Negura Bunget procurem saber mais sobre eles.

Bleeding Display - Deviance - Grande regresso da banda portuguesa que provou com este trabalho estar longe demais dos discos. 


Bella Utopia - Dilema Do Prisioneiro - Grande revelação do som pesado vindo do Brasil, com uma grande fusão entre o rock e o metal.