Após terem completado trinta anos no ano passado, assinalados com a compilação "The Soundchaser Archives" em duplo CD e DVD, os Rage, mítica banda de heavy/power metal, lançaram um comunicado em que confirmam que a presente formação se vai desfazer e que cada um seguirá por caminhos diferentes. Ao que tudo indica, terá sido uma decisão em conjunto, em que Peter "Peavy" Wagner, baixista e vocalista e Victor Smolski, guitarrista e teclista, decidiram parar de trabalhar em conjunto no futuro devido a diferenças musicais e pessoais. Segundo o comunicado da banda, os membros da banda evoluíram em direcções diferentes nos últimos anos, de tal forma que não se conseguem identificar mais com a presente situação da banda. Nesta situação também está incluído o baterista Andre Hilgers, que estava na banda desde 2007.

É salientado ainda que é uma era que chega ao fim, apesar de terem sido quinze anos cheios de bons momentos e de bons lançamentos e que se fosse prolongado ainda mais o momento presente, estariam a não ser verdadeiros para com eles próprios e para com os fãs da banda. Victor Smolski, a título pessoal e em separado, comunicou ainda que, após quinze anos que considera fantásticos, dez discos e incontáveis espectáculos com os Rage, decidiu focar-se nos seus próprios desafios musicais. Agradeceu a todos os fãs dos Rage que o apoiaram durante todo o tempo que esteve na banda. Em relação ao futuro, revelou que se vai concentrar no novo cd dos Lingua Mortis Orchestra, projecto que fundou e formou em 2013, e que o mesmo continuará com toda a formação intacta, apenas com a excepção de Peavy. A banda/projecto terá novos músicos que serão revelados em breve, nomes esses que darão um novo contributo criativo.

Resta lembrar que Victor Smolski entrou para os Rage em 1999, depois de Peavy ter ficado só, quando os restantes membros da banda abandonaram nas vésperas das gravações do álbum "Ghost". O russo entrou para as guitarras e teclados, enquanto o norte-americano Mike Terrana para a bateria. A banda viu assim uma nova vida, com o talento de Smolski a fazer a diferença e a banda a atingir novos picos de sucesso. Terrana acabou por sair em 2007, sendo substituído por Andre Hilgers. #Entretenimento #Música

Os Lingua Mortis Orchestra foram criados como um projecto paralelo aos Rage, onde todos os membros da banda participavam e foram vistos pelos membros da banda como uma sequela do álbum "Lingua Mortis" de 1996 da banda alemã, onde foram reinterpretados temas seus em conjunto com a orquestra sinfónica de Praga. Os álbuns "XIII" e "Ghosts" foram fortemente apoiados na componente sinfónica, continuando a usar o termo Lingua Mortis Orchestra até o projecto ganhar vida própria em 2013, como foi referido atrás.