Realizado por Seth Rogen e Evan Goldberg, o filme "The Interview - Uma entrevista de loucos" gerou uma enorme polémica entre os EUA e a Coreia do Norte e não terá estreia comercial nas salas de #Cinema portuguesas. A distribuidora NOS afirmou hoje que a película estará disponível apenas para aluguer pago em videoclube, já a partir do dia 27 deste mês. Alvo de censuras, "The Interview" foi difundido na Internet em Dezembro do ano passado, data em que estaria previsto estrear nas salas americanas. Contudo, este facto não impediu a Sony Pictures de atingir receitas extraordinárias. Apenas online e em 4 dias, a empresa lucrou 15 milhões de dólares, isto é, cerca de 12,2 milhões de euros.

Publicidade
Publicidade

A paródia conta com um elenco principal constituído por James Franco e Seth Rogen que interpretam um conhecido apresentador de um programa de televisão e o seu produtor, respetivamente. Após marcarem uma entrevista com o líder da Coreia do Norte, acabam por estar envolvidos numa missão proposta pelos serviços secretos norte-americanos, o assassinato de Kim Jong-Un (interpretado pelo ator Randall Park).

A Coreia do Norte, envolta em sentimentos de fúria, ameaçou os EUA (no verão passado) com uma "retaliação impiedosa", caso o filme estreasse nos cinemas. Porém, as ameaças não se ficaram por aqui e tomaram proporções bem mais robustas, envolvendo ataques informáticos, sanções e censuras.

Em Novembro de 2014, os estúdios de cinema da Sony Pictures foram alvo de um ataque informático que lhes paralisou o sistema e difundiu na Internet cinco filmes dos estúdios, documentos confidenciais e dados pessoais de 47 mil empregados.

Publicidade

A culpa deste ataque, como não poderia deixar de ser, foi atribuída à Coreia do Norte que levou esta obra cinematográfica muito "a peito" e ameaçou desde logo os Estados Unidos da América.

A obra cinematográfica, protagonizada por James Franco, Seth Rogen e Randall Park, é de facto uma sátira à cultura e ao sistema político coreano, severo e totalitarista. Face a esta orientação política, os coreanos não aceitaram o filme de ânimo leve e apelidaram Obama de macaco por, supostamente, promovê-lo. Com todas estas trocas de acusações e polémica em torno de "The Interview - Uma entrevista de loucos", o filme acabou por ser difundido na Internet e em apenas algumas salas de cinema dos EUA, não chegando às salas portuguesas. #Filmes