O novo álbum de Madonna já está nas lojas de todo o mundo. Em Rebel Heart a cantora revela o seu lado mais romântico e rebelde. O 13º álbum de estúdio, lançado no passado dia 9 de março, é o sucessor de MDNA, de 2012, que chegou ao topo do Billboard 200. Mas, antes de sair, a cantora natural de Michigan, EUA, tinha anunciado as datas da sua tour mundial. A má notícia é que Madonna não deve passar pelo nosso país.

O novo trabalho da rainha da pop vem provar que a norte-americana continua pioneira, provocadora, sensível e fora da box. Em declarações à agência Reuters, referiu que o nome do álbum, Rebel Heart, anuncia o que ela pretendia dele: "um lado seria a minha parte mais rebelde, provocadora, que rompe barreiras, e o outro a minha parte mais romântica, vulnerável". O novo álbum acaba, ainda, por ser autobiográfico. Músicas como Devil Pray, Ghosttown, Veni Vidi Vici ou Joan of Arc falam sobre amor ou os sentimentos da cantora com a vida. Porém, Madonna não deixa de lado a sua faceta mais rebelde e contagiante. O primeiro singleLiving For Love, mostra-o perfeitamente. De recordar que foi com a apresentação desta música, nos BRIT Awards, que a cantora caiu das escadas.

Neste álbum, Madonna não prescinde das colaborações. DiploKanye WestAviciiNasChance The RapperNicki Minaj ou Alicia Keys são alguns dos artistas que participaram no novo trabalho. Este ponto é, aliás, um dos sete motivos para ouvir Rebel Heart, segundo o site brasileiro UAI. O mesmo site diz, ainda, que a presença da artista nas redes sociais tem elevada importância. Recorde-se que a cantora mostrou, em exclusivo, o videoclip de Living For Love na rede social Snapchat. Outras das razões prendem-se com os produtores, a inovação da cantora, os espetáculos ao vivo, a importância que tem dado às redes sociais, as polémicas e a tour (já anunciada).

Na semana passada, quando Madonna anunciou as datas da tour, deixou Portugal de fora. Rapidamente os fãs da cantora mostraram-se tristes e insatisfeitos com esta exclusão. Contactado pela agência Lusa, Nuno Brancaamp, o promotor responsável por trazer a cantora a Coimbra, em 2012, revelou que "em princípio, não deverá vir". Com ou sem a cantora por terras lusitanas, a verdade é que o álbum já está nas prateleiras e nos serviços de streaming. #Música