O autor Luís Miguel Rocha era vítima de doença prolongada e encontrava-se em casa de familiares em Mazarefes, distrito de Viana do Castelo. Segundo um familiar próximo relatou à agência Lusa, o escritor esteve internado no hospital de Viana do Castelo, vindo a falecer hoje, dia 26 de março, em casa. Luís Miguel Rocha nasceu na cidade do Porto, em fevereiro de 1976, onde vivia após dois anos de residência em Londres. Além de escritor foi guionista, repórter de imagem e tradutor de #Livros e contos já publicados. Profissionalmente começou como técnico da produtora responsável pelas emissões das missas de domingo da TVI, aos vinte anos de idade.

Publicidade
Publicidade

Atualmente dedicava-se a tempo inteiro à sua escrita, tendo publicado cerca de seis romances pertencentes aos tops nacionais de vendas: Um País Encantado (2005); O Último Papa (2006) que vendeu mais de meio milhão de exemplares em todo o mundo; Bala Santa (2007); A Virgem (2009); A Mentira Sagrada (2011); e, mais recentemente, A Filha do Papa (2013). Tornou-se no primeiro escritor português a entrar para o top de "bestsellers" do New York Times em 2009, tendo as suas obras publicadas em mais de 30 países.

Os seus livros são grandes sucessos internacionais devido às temáticas polémicas abordadas, principalmente nos romances O Último Papa, A Mentira Sagrada e A Filha do Papa. O autor expõe uma teoria elaborada sobre a misteriosa morte de Albino Luciani, o Papa João Paulo I, envolvendo a maçonaria italiana no romance O Último Papa.

Publicidade

Em A Mentira Sagrada são exploradas questões como "Será que Jesus foi mesmo crucificado? Terá tudo acontecido como a Bíblia descreve?", e em A Filha do Papa, Luís Miguel Rocha escreve sobre a beatificação do Papa Pio XII.

Estava prevista para breve a publicação de mais um romance intitulado A Resignação, que explora o abandono de Bento XVI do cargo de Papa. Na semana em que a literatura portuguesa perde Herberto Helder, considerado o maior poeta português contemporâneo, Portugal perde hoje um dos escritores mais reconhecidos internacionalmente com apenas 39 anos. Havia muito para escrever, muito para pesquisar e ainda muito por dizer. #Literatura