Na próxima quinta-feira, dia 2 de Abril, estará disponível nas livrarias Estradas do esquecimento e outros contos. Esta é uma colectânea de duas dezenas de contos totalmente inéditos do grande autor da língua portuguesa Fernando Pessoa. Em Novembro celebram-se os 80 anos da morte do poeta.

A editora Assírio & Alvim anunciou em comunicado o lançamento de mais uma obra, que reúne contos inéditos, publicada a título póstumo, que surge na sequência de O mendigo e outros contos publicada em 2012 com 12 contos, cinco deles também totalmente inéditos. Com a chancela desta editora, a introdução desta colectânea fica uma vez mais a cargo de Ana Maria Freitas, investigadora do espólio do escritor.

Publicidade
Publicidade

A investigadora salienta que muito pouco da sua obra ficou conhecida em vida, tal como a própria editora realça que a obra Mensagem "é mais vasta do que inicialmente se imaginou". A apresentação da colectânea acontecerá a 9 de Abril pelas 19h00 na Casa #Fernando Pessoa, em Lisboa.

O autor que nasceu em 1888 em Lisboa publicou em vida apenas quatro obras, sendo que três delas foram em inglês. Porém, a criação dos seus heterónimos, Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis, foram a sua grande criação estética. A obra Mensagem, publicada apenas um ano antes da sua morte, é o seu feito mais conhecido no mundo, sendo que retrata o passado grandioso da Nação e a tentativa de encontrar uma explicação para a decadência que o país atravessava na época em que foi escrita.

Depois da sua morte foram ainda publicadas obras como: Poesias de Fernando Pessoa, Poesias de Álvaro de Campos, Odes de Ricardo Reis, O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro, entre muitas outras.

Publicidade

Relativamente aos heterónimos, Álvaro de Campos é considerado o alter-ego de Fernando Pessoa, Ricardo Reis foi o médico a quem José Saramago dedicou a obra O Ano da Morte de Ricardo Reis, e Alberto Caeiro escrevia apenas poesia por não conseguir representar a realidade através do diálogo. O reconhecimento das obras de Pessoa chegou depois da sua morte, mas hoje está traduzido em várias línguas. #Literatura