Depois da morte de Manoel de Oliveira esta quinta-feira, dia 2 de Abril, aos 106 anos, deixou de ser português o cineasta com o título de mais velho profissional do mundo. Agora, de acordo com a lista da Oldest Living Great Directors, Lester James Peries de 95 anos, é o cineasta mais velho do mundo. Da sua carreira, que começou em 1949, já lá vão 66 anos. Lester dirigiu e produziu mais de 28 filmes, entre curtas e documentários.

Nascido a 5 de Abril de 1919 no meio de uma família católica, este cineasta natural do Sri Lanka, cujos pais eram um médico e uma diplomada, tornou-se uma inspiração para uma camada jovem de cineastas do país.

Publicidade
Publicidade

Aos onze anos de idade, o pai ofereceu-lhe o seu primeiro projector de 8 milímetros e aí começou a sua paixão. A sua passagem por Inglaterra, nos finais de 1947, permitiram-lhe também aprofundar ainda mais o gosto pela área.

Em França, havia de conhecer aquela que viria a ser, a partir de 1964, a sua mulher, Sumitra Peries. Ela própria também uma cineasta mas, apesar de ainda viva, já terminou a sua carreira. Lester iniciou-se então no mundo do #Cinema em 1956, depois de regressado à terra natal, com o filme que se tornou um ícone no cinema internacional, Rekava. Este foi, até aos dias de hoje, o único filme produzido no Sri Lanka que foi nomeado para a Palma de Ouro. Escrito, produzido e realizado por Lester, o filme retrata a história do país. Outros filmes se seguiram na carreira deste profissional como Baddegama, Wekande Walawwa e Ammawarune (o seu último trabalho até ao momento).

Publicidade

Os prémios alcançados traduziram-se num reconhecimento internacional.

Lester sucede assim a Manoel de Oliveira, que ocupou por muitos anos a posição do mais velho cineasta do mundo. O português deixou um grande espólio entre nós, com mais de 60 trabalhos. A sua última produção, O Velho do Restelo, estreou em Portugal em Dezembro do ano passado. O funeral do mestre das artes realiza-se amanhã, dia 3 de Abril, na igreja do Cristo Rei na Foz, Porto. O Presidente Cavaco Silva decretou já dois dias de luto nacional.