Sebastião Salgado é um famoso fotógrafo brasileiro cujo trabalho foi desenvolvido em alguns dos locais mais recônditos do nosso planeta. Daí resultou o projecto Génesis, que inclui um livro e, de entre as fotografias que o compõem, 245 estão expostas, em grande formato, na Cordoaria Nacional em Lisboa, entre 10 de Abril e 2 de Agosto. Tal como a palavra indica, o projecto Génesis pretende traduzir as origens da Terra e mostrá-lo como um "planeta puro, grande e majestoso", sendo uma "carta de amor ao planeta", diz Sebastião Salgado sobre este projecto desenvolvido entre 2004 a 2011. O seu trabalho pretende mostrar lugares pouco conhecidos ou tão remotos que permanecem ainda inexplorados, captando a Natureza e a sua relação com o Homem no seu estado mais puro.

Publicidade
Publicidade

Mais ainda, pretende ainda traduzir não só a grandiosidade, mas também a fragilidade do nosso planeta, alertando para a nossa influência nele e para a importância que detemos na sua preservação.

Segundo o jornal Público, a sua motivação neste sentido resultou numa mostra fotográfica fantástica de animais, vulcões, desertos, selvas, icebergues e comunidades praticamente desconhecidas desde o Amazonas à Nova Guiné.

Fruto do mesmo projecto, foi produzido um documentário intitulado "O Sal da Terra", que estreia igualmente no dia 10 de Abril nos cinemas, realizado por Wim Wenders e Juliano Ribeiro Salgado, filho de Sebastião Salgado. Neste filme, Sebastião conta algumas das histórias inerentes a alguns retratos, nomeadamente os relativos ao projecto "Êxodos", para o qual fotografou homens, mulheres e crianças a morrer de fome, na Uganda e no Mali, entre 1994 e 2000.

Publicidade

São também narradas as histórias sobre as imagens mais marcantes sobre o seu projecto "Terra", cujo assunto são os ecossistemas pouco explorados pelo homem, com início nas ilhas Galápagos.

O filme está a ser exibido em salas de Lisboa e do Porto, tendo também sessões agendadas em Viana do Castelo, Abrantes, Viseu, Braga, Coimbra, Santarém, Setúbal, Leiria e Guarda.