"Douro, faina fluvial" (1931), "Aniki-Bobó" (1942), "Ato da Primavera" (1962) e "A caça" de Manoel de Oliveira podem, a partir de hoje, ser vistos (ou revistos) em algumas salas de #Cinema do Porto e Lisboa. A iniciativa é uma homenagem da Midia #Filmes e da Nos Audiovisuais ao cineasta que morreu na passada semana e prolongar-se-á até ao dia 22 de Abril. Os filmes serão transmitidos em versões restauradas e remasterizadas em alta definição.

Entre hoje e a próxima quarta-feira, dia 15 de Abril, são exibidos os filmes "Douro, faina fluvial" e "Aniki-Bobó". "Ato da Primavera" e "A caça" chegam aos cinemas a 16 de Abril, mantendo-se em cartaz até ao dia 22 deste mês.

Publicidade
Publicidade

As salas onde estas sessões terão lugar pertencem ao Cinema Ideal (Lisboa), ao cinema NOS Amoreiras de Lisboa, ao cinema NOS Dolce Vita Porto, bem como ao UCI Cinemas El Corte Inglés Lisboa e ao UCI Cinemas Arrábida Shopping.

Cada um destes 4 filmes são marcos na carreira de Manoel de Oliveira. "Douro, faina fluvial" foi a sua primeira obra. Tratava-se de um documentário mudo sobre a zona Ribeirinha do Douro. "Aniki-Bobó", por seu turno, foi a primeira longa-metragem de ficção que o cineasta fez. O seu argumento inspira-se no conto "Os meninos milionários" de João Rodrigues de Freitas. Já o "Ato da Primavera" seria uma docuficção, onde é encenada a celebração da Paixão de Cristo, uma festa tradicional transmontana. Por fim, "A caça", pelo seu conteúdo, viria a originar um confronto com a PIDE.

Publicidade

Uma cena foi cortada e Manoel de Oliveira passou 10 dias nos calabouços da polícia política.

Manoel de Oliveira deixou-nos na madrugada de 2 de Abril, vítima de uma paragem cardíaca. Contava já 106 anos de vida e 90 de carreira. Tratava-se do realizador em actividade mais velho do Mundo. A sua longa carreira permitiu-lhe testemunhar a passagem do cinema mudo para o cinema sonoro, e, mais tarde, do cinema a preto e branco para o cinema cores, demonstrando assim uma notável capacidade de adaptação. Do seu currículo fazem parte inúmeros prémios e outras tantas condecorações, quer nacionais, quer internacionais. O seu último feito foi a curta-metragem o "Velho do Restelo" (2014), no entanto, deixou ainda um filme para ser exibido após a sua morte. "Visita ou memórias e confissões" deverá ser tornado público nas próximas semanas.