O Festival de Cannes é o maior do certame no que diz respeito ao cinema europeu, vanguardista e de autor. A comemorar a sua 68.ª edição é também conhecido por ser a tela de estreia de muitas das, hoje consideradas, maiores obras cinematográficas. A celebração em torno desta arte é espelhada também no público, entusiasta e franco, que exprime o seu gosto em plena exibição. Assim, um título que poderia suscitar algumas dúvidas, traduz-se afinal numa questão de primeira reação. De entre uma lista incontável de exibições, os 7 #Filmes mais apupados até à data foram:

Pulp Fiction, Quentin Tarantino, 1994

Detective, Jean Luc Godard, 1985

Antichrist, Lars von Trier, 2009

The Brown Bunny, Vincent Gallo, 2003

Twin Peaks: Fire Walk With Me, David Lynch, 1990

Tree of Life, Terrence Malick, 2011

Taxi Driver, Martin Scorcese, 1976

Quem o diz é a Comunidade Cinéfila Portuguesa que acompanha de perto todas as edições deste festival.

Publicidade
Publicidade

A ousadia e irreverência destes realizadores - nomes conhecidos e aclamados - valeu-lhes o ditado: "primeiro estranha-se, depois entranha-se". A seleção oficial de que se orgulha Cannes, é uma aposta na diversidade e na estética de novos e antigos realizadores.

Tudo começou em 1930, em plena luta contra o regime fascista que se espalhava pela Europa. A livre circulação de filmes era estrangulada pela repressão de ditadores que viam nela uma ameaça ao pensamento controlado. É então que Jean Zay (ministro das Belas Artes) apresenta a ideia da criação de um festival internacional de #Cinema a acontecer em Cannes. Louis Lumière chegou mesmo a ser convidado para júri da primeira edição que viria a ser adiada por força das circunstâncias. Em 1972 o festival foi reconhecido como utilidade pública.

Publicidade

Este encontro entre realizadores, atores, críticos e espetadores acontece não só na sala de cinema mas também no Marché du Film (Mercado do filme) que acontece paralelamente e de forma indissociável. A edição deste ano está prestes a terminar e as críticas colocam "Carol" de Todd Haynes e "Mountains may depart" de Jia Zhangke no TOP.