Aquela acolhedora tarde de sol na Riviera Francesa foi brevemente visitada por uma nuvem carregada de hilariante desalento, que por momentos tomou a forma de Woody Allen. O cineasta está em Cannes para lançar o seu mais recente trabalho, Irrational Man, e a conferência de imprensa de apresentação foi tudo aquilo que se espera do realizador mais neurótico do mundo. Nem a companhia das belíssimas Emma Stone e Parker Posey, ou a adulação que sempre escolta Woody naquele festival, poderiam impedir o homem de trazer a conversa para uma divisória menos… soalheira.

Ansiedade

A primeira investida de Woody Allen no mundo da televisão parece ter sido tortuosa.

Publicidade
Publicidade

O realizador está a trabalhar numa série de seis episódios encomendada pela Amazon que deverá estrear em 2016. "Foi um erro catastrófico. Nunca me devia ter metido nisto. Pensei que ia ser fácil, mas não é: é muito, muito difícil". Allen diz que tem "andado às voltas" com o projeto e que este está assim destinado a ser um "embaraço cósmico".

Rever os seus filmes, nem pensar

Woody diz que nunca mais viu Annie Hall, Bananas ou Manhattan porque tem a certeza de que se arrependeria de muitas coisas. "Podes sempre ver o que fizeste de errado e isso é terrível. Se pudesse, refazia os #Filmes. Poderia melhorá-los a todos".

O significado da vida… e do Ébola

"Todos nós vamos acabar numa situação muito precária mais cedo ou mais tarde", vaticinou Woody, meditando sobre a filosofia por detrás de Irrational Man.

Publicidade

"Tudo o que tu fazes ou crias irá desaparecer. Todas as obras de Shakespeare ou Beethoven irão desvanecer-se por muito que nós as estimemos".

Woody Allen arrastou depois as atrizes Stone e Posey para as suas contemplações. O argumentista de 79 anos diz que se elas não estivessem a trabalhar no seu filme, estariam em casa ou na praia a pensar: "O que é a vida? Eu vou ficar velha, vou morrer e todos aqueles que amo também. Será que vou contrair o Ébola?".

Mais sequelas não, por favor

Woody Allen tem uma mensagem para todos os fãs da Marvel, Terminator e Toy Story 2: "Acho que é terrível", disse, sobre a obsessão pelas sequelas. "O #Cinema está a ir numa direção errada… e os grandes blockbusters são na maior parte das vezes uma grande perda de tempo. Não vejo. Eu penso que Hollywood tem seguido um caminho desastroso".

Grandeza

Mesmo depois de tantas décadas de galardões e reconhecimento, Woody não se considera um dos maiores artistas da história do cinema. Referindo-se a si próprio, proferiu: "Não existe grandeza em ti. Tu não és Kurosawa ou Fellini. És um comediante que se tornou realizador, com um talento modesto para divertir, para entreter. Mas não existe em ti verdadeira grandeza".