A cidade de Montemor-o-Novo recebe, entre os dias 3 a 7 de Junho, a Plataforma Portuguesa de #Artes Performativas (PT.15), evento bianual já na quarta edição, que se afirmou como a maior mostra do género para programadores portugueses e estrangeiros. Esta mostra de artes performativas conta este ano com 17 obras previamente selecionadas por um painel de nove curadores nas áreas da #Dança, teatro e performance com organização do Espaço do Tempo.

Ao longo de 4 dias, a cidade recebe durante todo o dia vários espetáculos em diversos palcos, como o Cine Teatro Curvo Semedo, a Sociedade Carlista, o Espaço do Tempo ou a Blackbox.

Publicidade
Publicidade

A PT.15 traz a Montemor vários criadores, como John Romão, Mala Voadora, Sofia Dias & Vítor Roriz, Tiago Rodrigues, Teatro Praga, ou Tânia Carvalho, entre outros, que apresentam os seus trabalhos ao público e a programadores.

O Espaço do Tempo é uma estrutura de criação artística sediada no Convento da Saudação em Montemor-o-Novo. Com 15 anos, esta estrutura transdisciplinar, com direção de Rui Horta, serve de apoio a inúmeros criadores nacionais e internacionais, com base na pesquisa e na experimentação, base da renovação e da inovação das linguagens artísticas. O Espaço do Tempo é financiada pela DGArtes e pelo Município de Montemor-o-Novo e conta ao longo do ano com inúmeras residências artísticas e apresentações nas áreas da dança, do teatro e da performance.

Ao longo dos 15 anos da sua existência, O Espaço do Tempo tem estado presente no início e desenvolvimento do percurso de inúmeros criadores portugueses.

Publicidade

Esta estrutura estende, igualmente, a sua actividade ao apoio à internacionalização dos criadores portugueses, organizando, bienalmente, a Plataforma Portuguesa de Artes Performativas, a mais importante acção de divulgação dos nossos criadores contemporâneos, ponto de encontro de dezenas de programadores nacionais e, sobretudo, internacionais.

Durante 5 dias, 80 programadores e directores dos mais interessantes teatros e #Festivais europeus juntam-se em Montemor para fruir a criação contemporânea portuguesa.