A leiloeira Christie's organizou na segunda-feira um leilão sob o tema "Olhando em frente, pelo passado", em que colocou diversas obras de arte do século XX à venda em leilão. Pablo Picasso e Alberto Giacometti foram os recordistas das vendas: a obra de pintura "Mulheres de Argel (versão O)" foi vendida por 157 milhões de euros (o mesmo que custou o estádio do Sporting de Braga), e a escultura de Giacometti, "pointing man", atingiu os 123,7 euros (mais do que o Real Madrid pagou por Cristiano Ronaldo). Veja na galeria de fotos as obras referidas.

Jussi Pylkkanen, o licitador da Christie's era um homem satisfeito: "Nunca tinha trabalhado com obras tão belas", disse, referindo-se ao carácter inigualável das obras em leilão.

Publicidade
Publicidade

A identidade dos compradores mantém-se anónima.

Neste leilão foram vendidos 34 dos 35 lotes e a leiloeira londrina lucrou, ao todo, 618 milhões de euros (o equivalente ao valor de mercado de 3 companhias aéreas TAP). As obras de arte atingem estes valores quando há "investimento financeiro seguro e os coleccionadores de arte querem investir em obras de qualidade", disse Richard Feingen, negociante de arte.

E Sarah Lichtman, uma curadora e historiadora de arte da New School, Nova Iorque, referiu que as obras vendidas pela Christie's, contêm 3 qualidades fundamentais: "Beleza, acessibilidade e valor demonstrado". Philip Hofman, da Fundação das Belas #Artes, EUA, referiu que "esta é uma das mais excitantes obras de arte que eu vi no mercado nos últimos 10 anos" e referiu ainda que "é certamente uma presença indiscutível na parede".

Publicidade

A obra de Picasso é uma das mais representativas da maturidade do artista. A obra foi iniciada depois da morte do seu amigo e competidor, Henri Matisse, em 1954. A obra de Picasso é também uma homenagem à mulher, mas foi o pintor Eugene Delacroix que pintou a original obra de arte "Mulheres de Argel" em 1834.

O record foi anunciado em simultâneo com as notícias em que Catherine Hutin-Blay, enteada de Picasso, denunciou um negociante de arte de Paris, por ter furtado obras do seu avô espanhol. O negociante, Olivier Thomas, foi detido pela polícia francesa. Recentemente, Thomas tinha sido acusado de defraudar o presidente do Mónaco Footbal Club, Dimitry Rybolovlev, num grande caso de fraude de arte. #Negócios