Durante os últimos 20 anos o Super Bock Super Rock foi marcado por ser o mais camaleónico do país, por isso, este ano voltou a mudar. Para a sua 21ª edição, o festival regressou às origens, ou seja, voltou à cidade que o viu nascer: Lisboa. O ano de 1998 marcou a sua primeira vez na zona do Parque das Nações, na Praça Sony, durante a Expo'98, mas não foi o primeiro palco do festival. Até chegar ao Meco, o certame da Música no Coração passou por, praticamente, uma dezena de locais.

O festival Super Bock, como assim é chamado entre os festivaleiros, nasceu em 1995, na Gare Marítima de Alcântara. Desde então passou por sítios como o Passeio Marítimo de Algés, em 1997, ou pelo Parque Tejo, em 2004 (onde se manteve até 2008). Entre 1999 e 2003 o Super Bock Super Rock assumiu-se como um festival camaleão, passando por várias cidades. Durante estas datas passou, não só por Lisboa, mas também pelo Porto, Coimbra ou Évora. Em duas edições, o Super Bock chegou a estar presente em Vigo e Madrid, havendo ainda espaço para a realização de edições em Angola. Em 2008 voltou a ter a sua edição em duas cidades, algo que voltou a acontecer em 2009. No Porto, o festival aconteceu no Parque da Cidade, em 2008, e no Estádio do Bessa, em 2009; em Lisboa realizou-se no Parque Tejo, em 2008, e no Estádio do Restelo, no ano seguinte.

Em 2010, o Super Bock Super Rock rumou até ao Meco, onde aconteceu nos 4 anos seguintes. A 16ª edição ficou marcada na história do festival, pois este foi o ano em que se assumiu como o tipo de festival de verão a que todos estão habituados: autocarros para a praia e campismo incluído. As edições no Meco marcaram os festivaleiros e deram uma mística diferente à identidade do festival português. A Herdade do Cabeço da Flauta foi palco, durante 5 edições, de concertos míticos como o de Prince, Arctic Monkeys, Arcade Fire, The Strokes, Lana Del Rey, The Killers ou o de Eddie Vedder. Na história do SBSR fica a Praia do Meco, o pó e o campismo.

A 21ª edição surge com a vontade de marcar o 20º aniversário para sempre na história. O festival aloja-se no Parque das Nações e usa a maior sala de espetáculos fechada: a Sala Atlântico do MEO Arena. Mas não é o único palco, pois o recinto abrange ainda o Pavilhão de Portugal e a Doca dos Olivais. O quarto palco está, também, no MEO Arena, mais concretamente na Sala Tejo. Pode comemorar os 20 anos do Super Bock Super Rock nos próximos dias 16, 17 e 18 de julho. A entrada no recinto custa 50€ ou 95€, conforme queira ir a um ou aos três dias, respetivamente.

#Festivais